segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

PREVI E BB PODEM PASSAR O TRATOR EM 118 MIL PARTICIPANTES

A PREVI mais uma vez não implanta o TETO DE BENEFÍCIOS aprovado em 2008 para os Dirigentes Estatutários que continuam advogando em causa própria. Dias atrás o Estadão publicou mensagem informando que os Ministérios da Fazenda e Planejamento apoiam o Banco e da Previdência apoia a PREVIC que é o Órgão Regulador e Fiscalizador dos Fundos de Pensão. Dia 21 de dezembro publicou nova matéria informando sobre o acordo que será realizado entre Banco, PREVI e Governo. Pelo histórico dos acordos, tudo indica que o Banco, PREVI e Governo vão PASSAR O TRATOR nos 118 mil participantes, mantendo benefícios privilegiados para os Dirigentes do Banco, Previ e Subsidiárias, sangrando a PREVI em milhões.

Isto é temerário. Pode surgir uma enxurrada de ações pelos aposentados pós de 1997, demandando incorporações de férias, L. Prêmio, 13 salário, cesta alimentação, etc, a exemplo do que foi feito com os referidos Dirigentes.
Entendo que já passou da hora de nossas Associações adotarem providências. Em Audiência no Senado o Diretor Marcel disse que é contra o PDS 275/2012, que a PREVIC não determinou o cumprimento do teto e que as Associações são escritórios de Advocacia travestidos de Associações. 

Veja vídeo com resumo do pronunciamento do Diretor Marcel no Senado, onde EU estive presente, clicando no LINK: http://youtu.be/19pCD0D7LUU.

A todos um FELIZ NATAL e UM ANO NOVO COM REALIZAÇÕES.


Antonio J. CARVALHO.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

PREVI - MINISTÉRIOS INTERFEREM NO TETO DE BENEFICIOS

Em poucas linhas, saiba o que ocorre com o teto de benefícios dos Dirigentes do BB/PREVI.
1 - A PREVI não implantou o teto de benefícios aprovado em 2008. Pediu novo prazo. O Banco discorda do Teto. A PREVI diz que existem recursos para pagamento dos benefícios, mesmo sem ter havido contribuições. Um absurdo! Até o momento são 137 privilegiados, sangrando a PREVI em cerca de R$ 16 milhões/ano. O Estadão divulgou que os Ministérios da Fazenda e Planejamento apoiam o Banco. O da Previdência apoia a PREVIC, Órgão Regulador dos Fundos de Pensão. São lamentável interferências políticas em assuntos técnicos. Dia 21 de novembro participei de Audiência Pública no Senado. Lá, o Diretor Marcel falou sobre BET,TETO,PDS, etc.
2 – Até março de 2008 Diretores eram funcionários regidos pela CLT. Recebiam salários diretos e indiretos (Férias, L.Prêmio, abonos, etc) e verbas indenizatórias (Auxilio e cesta alimentação). Salários indiretos e verbas indenizatórias não são computadas para a PREVI, conforme art. 28, parágrafo 1 do Regulamento, vigente desde dezembro de 1997, válido para todos.
3 – Em 17/04/2008 o Banco alterou o Estatuto. Os Diretores passaram a ser estatutários. Romperam os contratos de trabalho, recebendo honorários. Com incorporação de verbas não computadas para a PREVI, o salário de R$ 23.817,00 passou para honorário de R$ 28.943,00. A Nota Explicativa número 30 das Demonstrações do Banco de dezembro de 2008, registra:
“(1) Em abril de 2008, foi adotada a simplificação do modelo remuneratório dos membros da Diretoria Executiva, com a incorporação nos honorários de benefícios anteriormente concedidos aos dirigentes pela Assembleia Geral de Acionistas. Com essa incorporação, a concessão dos referidos benefícios foi descontinuada”.
3 - Em 22/04/2008, acertadamente, o Banco solicitou a PREVI não computar as incorporações feitas nos honorários, adotando como teto o maior salário de funcionário celetista.
4 – Em 02/09/2008 e 19/09/2008, a Diretoria e o Conselho da PREVI aprovaram o teto de R$ 21.435,00 (90% de CR 23.817,00), maior salário celetista do Banco. Os Órgãos do Governo concordaram e o processo foi encaminhado à PREVIC para aprovação final.
5 – Em 18/10/2010 o Banco informou a PREVI ter revisto a decisão de 22/04/2008. A PREVI solicitou desistência do processo que foi arquivado na PREVIC.
6 - Após denúncias, a PREVIC desarquivou o processo e em 13/06/2011 determinou a correção da infração, reiterada em 02/12/2011. Diante de resistência/discordância do Banco a PREVIC obteve Pareceres favoráveis da Procuradoria Federal: em 12/03/2012 e 30/04/2013. Da AGU: em 11/10/2012 e 20/05/2013. Agora o Banco requer novo parecer da AGU. Um abuso!
7 – Em 05/06/2013 a PREVIC determinou novamente a correção da irregularidade, com o expurgo das verbas incorporadas indevidamente e implantação do teto, retroativo a março de 2008 e devolução dos pagamentos indevidos, que mais uma veze foi descumprida pela PREVI.
8 – O maior salário de funcionário do Banco é R$ 34.187,00. O honorário de Diretor, inflado, é R$ 45.067,00. Logo, o teto deveria ser R$ 30.768,00 (90% de R$ 34.187,00). Os Diretores recebem R$ 40.560,00 (90% de R$ 45.067,00).  Ou seja: Recebem R$ 9.792,00 indevidamente.
9 – Na Audiência no Senado o Diretor Marcel, dentre outras coisa, disse que:
- “Não existe teto. Junto aos eleitos defende como teto os honorários de Diretores, aceito pelo Banco. A PREVIC mandou regularizar o salário de participação”. Entendo que há, sim, teto nas decisões da PREVIC. A PREVI e o Banco continuam advogando em causa própria. Um abuso!
- “O BET é temporário”. Só que, em campanha, os eleitos prometeram incorporação. Abuso!
- “Existe indústria de ações. Associações são escritórios de Advocacia”. Com a palavra as Associações. Acredito que o não cumprimento do teto pode ensejar uma enxurrada de ações.
- “Alterações nos regulamentos são votadas e beneficiam os participantes”. Não é verdade. Desde 2002 não existe o corpo social. Alteração em regulamentos tem gerado injustiças.
- “Sou contra o PDS 275/2012, criado pelo Carvalho”. Não criei o PDS. Nem conheço o Senador Bauer. Coordeno o abaixo assinado que apoia o PDS 275, objetivando cancelar art.abusivos da resolução 26/2008 que determinou a PREVI em 2010 repassar R$ 7,5 bilhões para o Banco.
10 - CLIQUE AQUI e veja o vídeo da fala do Diretor Marcel, resumido em 18 minutos.
11 - CLIQUE AQUI e assine o Abaixo Assinado em apoio ao PDS 275/2012. Participe, Divulgue!  
 OBS: Esta Audiência Pública ainda não foi a que vai tratar do PDS 275, ainda não marcada.
12 - CLIQUE AQUI  adicione e participe do meu blog. Continuarei acompanhando e divulgando informações sobre este e outros assuntos relacionados à PREVI.
DESEJO A TODOS UM FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO!
Antonio J. CARVALHO


sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

PREVI - O BET - A BOLSA E A VALE


Existem, DE FATO, ameaças de extinção do BET em 2013 e volta das contribuições, conforme já foi divulgado pela PREVI. Acabando para nós também acaba para o Banco. A continuidade do BET em 2014 vai depender muito da rentabilidade dos recursos aplicados em renda variável, em que a PREVI tem cerca de 60%, em especial na Vale, onde a PREVI aplica, através da Litel@Valepar, cerca de 22% do seu capital total, detendo cerca 15% do total da Vale. Trata-se de grande concentração em uma única empresa. A PREVI está desenquadrada. O máximo de aplicação em uma única empresa é de 10% do capital total. Esta anomalia foi autorizada pelo Conselho Monetário Nacional em 2004 e revista em 2010. Para efeito de ativo líquido a participação na Vale, bem como nas empresas de energia, é avaliada pelo valor econômico, fluxo de caixa descontado. Grosso modo segue indicadores da PREVI na Vale, últimos 4 anos:
ANO      V.ECONÔMICO-bilhões   V.MERCADO-bilhões VALOR AÇÃO    PONTUAÇÃO DA BOLSA
2009              31                                     40                                49,50                    68.588
2010              34                                     45                                53,30                    69.304
2011              35                                     32                                39,40                    56.754
2012              33                                     33                                40,80                    60.952
HOJE             27                                     -                                   33,20                    50.844
A avaliação é feita por Bancos especializados. A PREVI costuma ser conservadora. Em 2009 e 2010 o valor Econômico foi cerca de R$ 10 bilhões menor que o mercado. Em 2011 o valor econômico superou o de mercado em R$ 3 bilhões.
O impacto direto da bolsa na PREVI é de 27% onde estão concentradas aplicações em grandes empresas como Bancos, Petrobrás, Ambev, Brasil Food, Embraer, etc.
A PREVI tem 10% do seu capital no Banco do Brasil, cujas ações se encontram estáveis, em relação a 2012. Na Petrobrás, onde a PREVI tem cerca de R$ 7 bilhões, as ações caíram 10% entre final de novembro e início de dezembro, ficando no patamar de dezembro de 2012.
Conforme divulgado pela PREVI, em setembro, faltaram R$ 1,5 bilhões para completar os 25% da reserva de contingência, exigido para continuidade do BET em 2014. A rentabilidade total acumulada até outubro é de 7,52%. Como sou otimista, mesmo ciente das ameaças, acredito que em dezembro pode-se obter rentabilidade acumulada superior 11 % e continuidade do BET até final de 2014. Não fosse a malvada resolução 26/2008 que poderá ser alterada pelo PDS 275/2012, nossos benefícios poderiam ter sido corrigidos em 15%, conforme  a Lei 109/2001 e estaríamos livres desta angústia. Para apoiar o PDS 275/2012 clique no link abaixo:
https://secure.avaaz.org/po/petition/APROVACAO_DO_PDS_2752012_EM_DEFESA_DOS_FUNDOS_DE_PENSAO/?launch.
Aceito comentários, contribuições e correções.
Abraço,
Carvalho

sábado, 30 de novembro de 2013

NOVEMBRADA - BET - TETO - PDS 275/2012

Abaixo, apresento comentários atualizados sobre os temas:
1 – Novembrada: Em 25 de novembro participei de manifestação pacífica e oportuna na PREVI, liderada por Ari Zanella. Uma comissão entregou documentos com reivindicações à Diretoria da PREVI, que prometeu responder em 10 dias.
2 - Teto de Benefícios: A PREVIC concedeu novo prazo (2/12) para implantação. A PREVI e o Banco continuam desafiando a Lei. O Diretor Marcel entende que “A PREVIC não determinou o cumprimento do Teto”. “Diz que mandou o Banco alterar o salário de participação”. Entendo que alterar salário de participação significa implantar o Teto aprovado em 2008. O Diretor defende que o Teto seja o salário de Diretores. Diretores não recebem salário. Desde 2008, como estatutários, rompem os contratos de trabalho e recebem honorários, inflados com incorporações de Licença Prêmio, férias, etc. não previstos no Estatuto. Atualmente já são 137 dirigentes do Banco, PREVI e subsidiárias privilegiados. A PREVIC determinou devolver benefícios pagos irregularmente.
3 – BET: Apesar de ameaças da PREVI, continuo acreditando que será pago até 2014. Vai depender da rentabilidade.  A acumulada até outubro é de 7,52%. Em setembro foi de 1,75% e outubro foi de 1,6%. Havendo uma rentabilidade de 3% nos dois meses restantes é possível, no meu entendimento, a continuidade do BET em 2014. A bolsa tem andado de banda. Geralmente tem melhorias no segundo semestre, especialmente em dezembro. É determinante a rentabilidade em renda variável, onde estão aplicados cerca de 60% do nosso capital. Da aplicação em renda variável cerca de 45% estão na Vale e em empresas energéticas, cuja avaliação é pelo valor econômico. São percepções minhas. Pode não acontecer.
4 – PDS 275/2012: Objetiva cancelar artigos abusivos da Resolução 26/2008 que permitiu a PREVI repassar R$ 7,5 bilhões de reservas para o Banco em 2010. Não fosse a maldita resolução que extrapolou a Lei 109/2001, hoje, inexista tanta angústia. Teríamos benefícios melhores. Continuo colhendo assinaturas no Abaixo Assinado para entrega no Senado, em Audiência Pública, em data a ser marcada. Dia 21/11 participei de Audiência Pública no Senado em que os Fundos de Pensão, em especial a PREVI foram questionados. Posteriormente postarei um vídeo com o resumo. É importante nossa movimentação junto aos Senadores. Se nós não fizermos alguma coisa, quem fará por nós? Participe, divulgue. Lutando é difícil. Sem lutas é impossível.
Para participar do abaixo assinado escrito, imprima o modelo clicando no link:
ABAIXO ASSINADO PDS 275/2012.
Para participar pela internet clique no link:
http://www.avaaz.org/po/petition/APROVACAO_DO_PDS_2752012_EM_DEFESA_DOS_FUNDOS_DE_PENSAO/?launch.
Para manter-se atualizado adicione e participe do meu blog clicando no LinK: http://www.ajccarvalho.blogspot.com.br.
Para dúvidas ou mais esclarecimento escreva para o e-mail: ajccarvalho@bol.com.br
Abraço e bom final de semana,
Antonio J. CARVALHO

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

PREVI - A NOVEMBRADA



Dia 25 de novembro participei da NOVEMBRADA realizada no Rio de Janeiro. O movimento que contou com cerca de 150 colegas foi coordenado por uma comissão que teve à frente o Professor Ari Zanella e Leopoldina Correa aos quais eu parabenizo. Transcorreu de forma pacífica. Tive o prazer de conhecer pessoalmente muitos colegas e encontrar tantos outros. Destaco Elisa que, em algum momento liderou a manifestação, ocorrida em 4 momentos:
1 – De início, por volta de 9.30 h na entrada do Mourisco, com muitas faixas, mega-fone e muito barulho. Cantamos Hino Nacional, Geraldo Vandré e tudo mais.
2 - Em seguida, por volta de 11.30, no auditório do condomínio, enquanto a comissão se reunia com a Diretoria da PREVI, entregando reivindicações que terão respostas em 10 dias, vários colegas se manifestaram livres e espontaneamente.  
Fiz esclarecimentos sobre o BET, TETO e PDS 275/2012. Entreguei cerca de 130 formulários do abaixo assinado, para assinaturas e posterior devolução. Destaco a manifestação de Cecília Garcez, muito aplaudida.
3 – Após o retorno da comissão, por volta das 13.30 horas, houve Nova mobilização na entrada do Mourisco. Na oportunidade o Diretor Marcel se manifestou e com jogo de palavras para confundi voltou a defender, em causa própria, que o TETO seja os honorários dos Diretores, inflados em 2008 com incorporação de salários indiretos, contrariando o Estatuto da PREVI. Ele Insiste em dizer que a PREVIC não determinou a implantação do TETO, dizendo que a PREVIC determinou ao Banco alterar o salário de contribuição. Ele disse também que o TETO deve ser o maior salário de carreira. Neste momento, peguei o mega-fone e expliquei que:
-Alteração do salário de contribuição, hoje irregular, significa implantação do TETO de benefícios, aprovado pela PREVI em 2008, descumprido até o momento.
-Diretor Estatutário não é funcionário. Rompe o contrato de trabalho e recebe honorário. No Estatuto da PREVI não consta esta categoria de beneficiários, que hoje conta com 137 privilegiados, número este informado pelo Diretor Marcel. Maior salário de carreira é AP 1.
 4 – Finalmente, por volta das 14.30 Diretores eleitos levaram colegas para o auditório para  novas explicações. A fome apertou. Fui tomar meu lanche.
Continuo colhendo assinaturas para o abaixo assinado em apoio ao PDS 275/2012 e fazendo um trabalho de formiguinha com os Senadores. Compareci na audiência pública na comissão de assuntos sociais. Visitei os Senadores Sergipanos, meus conterrâneos Amorim e Maria do Carmo que se dispuseram a nos ajudar. Este trabalho de bastidores é muito importante. Devemos procurar os Senadores. Se não fizermos, quem o fará?
Para manter-se atualizado visite, participe e adicione meu blog     clicando em:
ajccarvalho.blogspot.com.br
Abraço,
Carvalho

domingo, 24 de novembro de 2013

PREVI QUESTIONADA NO SENADO


Em Audiência Pública realizada na Comissão de Assuntos Sociais do Senado dia 21/11/2013, na qual estive presente, a PREVI foi questionada pela Senadora Ana Amélia sobre Governança, BET, Teto de benefícios e Resolução 26/2008. O Diretor eleito Marcel Juviniano respondeu com jogo de palavras conforme abaixo entre “aspas”, seguida dos meus comentários:
1 - “A PREVI não repassou recursos para o Banco”.  Ocorre que o Banco pagou a PREVI com recursos da própria PREVI. Jogo contábil. O Banco não recebe e não paga.
2 - “A PREVIC não determinou implantar o Teto. Mandou o Banco alterar o salário de Contribuições. Não existe teto de benefícios”.  Revisar o salário de contribuição significa excluir os salários indiretos e cumprir o teto de benefícios determinado pela PREVIC em junho de 2013, descumprido pela PREVI desde 2008 até a presente data. PREVI e Banco estão  descumprindo determinações da PREVIC e desafiando a LEI.
3 - “Os benefícios dependem do Plano de carreira. Do salário. Diretor é cargo de carreira. Presidente Diretores são funcionários. O maior salário é do Presidente”. No Banco o maior cargo na carreira é o AP 1 que pelo estatuto é o teto de benefícios, ora descumprido. Diretores são Estatutários. Como estatutários rompem os contratos de trabalho. Recebem honorários que foram fixados incorporando salários indiretos e criaram benefícios privilegiados. Que a carreira no Banco fez o Diretor Marcel  para ter direito a receber benefício de R$ 37.000,00 por ele veementemente defendido?.  Não contribuiu para tanto. Desde de 2007 as contribuições estão suspensas. Já são 137 privilegiados.
5 - “O BET é temporário. Aposentados estão recebendo 120% do benefício. Foi votado. Alterações de regulamentos foram votadas”.  É claro que o BET é temporário. Porém, em campanha, os eleitos prometeram incorporar o BET. Desde 2001 acabou o corpo social na PREVI. Participantes não votam em alterações de regulamentos e estatutos. Os sindicatos criaram a figura do plebiscito em que participantes são consultados e induzidos a aprovarem sobre assuntos com cascas de bananas. Não  diz os valores que o Banco usou da PREVI, cerca de R$ 30 bilhões da PREVI de forma isolada.
6 - “O voto de minerva somente foi usado duas vezes”. Esquecem que muitos dos eleitos são influenciados e dominados pelo Banco. Existem vários exemplos.
7 – “Escritórios de Advocacias são travestidos de associações”. Com a palavra as associações.
As explicações do Diretor  no  Senado, cuja audiência demorou mais de duas  horas estão gravadas. Vou fazer um resumo para compartilhar.
Abraço,
Carvalho

sábado, 23 de novembro de 2013

PREVI - PROMESSAS DE CAMPANHA

Leiam o chamamento feito pelo colega Edmundo e comentário que postei nos grupos.
 
"Atenção Colegas que forem a Itanhaém, NÃO ESQUEÇAM de Perguntar ao Diretor Eleito MARCEL BARROS, sobre a promessa Eleitoreira da Chapa dele sobre a incorporação DEFINITIVA do BET. Vamos ver se tem a "Cara de Pau" de negar isto".
 José EDMUNDO Moura 
Prezado Edmundo e demais colegas:
Realmente é importante fazer esta e outras perguntas aos eleitos.
Como aconteceu na reunião de Balneário Camboriú em junho passado e dia 20 de novembro, na audiência pública no Senado em que estive presente, o Diretor vai desviar o assunto usar jogo de palavras para confundi. Exemplos:
 - “A PREVI não repassou recursos para o Banco”. Qual a diferença? O  Banco pagou a PREVI com recursos da própria PREVI. Jogo contábil. O PREVI não desembolsou. O Banco também não.
- “A PREVIC não determinou implantar o Teto. Mandou o Banco rever o salário de Contribuições”. Qual a diferença? Revendo o salário, ou seja, excluindo os salários indiretos está ajustando o teto de benefícios.
- “O Presidente do Banco é funcionário (estatutário). Tem direito a benefícios da PREVI de acordo com o salário que recebe”. O certo é: Todo funcionário nomeado Diretor, desde 2008 é obrigado a romper o contrato de trabalho. Recebem honorários, ao invés de salários. Salário de funcionário é bem diferente de honorário de estatutário.
- “ Benefícios maiores são decorrentes de carreira no Banco”. Que carreira no Banco o Marcel fez para ter direito a receber benefício em torno de R$ 37.000,00.? Todos os Diretores que se aposentaram com este valor não contribuíram com um centavo. Desde de 2007 as contribuições estão suspensas.
- “Aposentados estão recebendo 120% do benefício”. Não  diz que o Banco está sendo beneficiado com 20% das reservas e que o Banco já se beneficiou com mais de R$ 30 bilhões da PREVI de forma isolada.
- “O voto de minerva somente foi usado duas vezes”. Esquecem que via de regra os eleitos são influenciados e dominados pelo Banco para acompanhar decisões. 
- “Mudanças nos regulamentos foram aprovadas pelos funcionários”. Esquece que em muitos casos as consultas são vendidas como conquistas, vantagens, etc. quando existem muitas "cascas de bananas". escondidas.
Clique no link: http://www.youtube.com/watch?v=T1nkU9--JIE&feature=youtu.be. Leia as explicações do Diretor. As explicações do Diretor  no  Senado, cuja audiência demorou mais de duas  horas estão gravadas. Vou fazer um resumo para compartilhar.
Abraço,
Carvalho

 

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

PREVI - A POLÊMICA DO RENDA CERTA


Circulam na internet muitos comentários sobre o “Renda Certa” pago pela PREVI em 2007 para os que se aposentaram depois de 1980 com mais de 30 anos de Banco. Conforme amplamente divulgado pela ANABB em 2008 a PREVI cometeu equívocos e pagou valores elevados para alguns aposentados, ultrapassando R$ 1 milhão. Tenho postado mensagens dizendo que tempo de Banco nem sempre é igual a tempo de contribuição. Outras anomalias podem ser constatadas. Sustento a tese de que houve contribuições semelhantes para benefícios diferentes. Leia, abaixo, último comentário que postei nos grupos.

 “Prezado Genésio:
Para melhor compreensão das anomalias da PREVI, em particular o “Renda Certa”, muito debatido nos grupos, em que se confundem tempo de Banco com tempo de contribuição, apresento, abaixo, histórico dos grupamentos da PREVI:
1 - Em 16/04/1904, foi criada a CAIXA DE MONTEPIO DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL. Não existia previdência oficial;
2- A partir de 1923 a Caixa de Montepio passou e se chamar CAPRE.
3 - Em 28/12/1934 foram criados os Institutos de Previdência: Exemplo: IAPM, IPASE, IAPI, IAPC, IAPTEC e IAPB, que era dos Bancários. Em 1966, com a fusão dos Institutos, foi criado o INPS, que a partir de 1990, passou a se chamar de INSS. Os funcionários que ingressaram no Banco após 28/12/1934 foram obrigados a contribuir para o IAPB. Os que já estavam no Banco puderam optar pelo IAPB ou continuar contribuindo para a CAPRE, que entrou em extinção.
4-Em 29/03/1935 o Banco mudou o estatuto, capitalizou a CAPRE com R$ 3.247 contos de réis.
6-Em 06/05/1947 pela portaria 966, o Banco garantiu complemento de benefícios para os integrantes do IAPB, considerando que o teto de benefícios da Previdência Oficial era inferior ao salário do Banco. Não houve contribuições para o complemento;
7-Em 15/04/1967 foi instituído o novo estatuto da PREVI. Os novos funcionários, além de pagar o INPS, foram obrigados a aderir a PREVI. O Banco garantiu o pagamento dos que já estavam aposentados e dos que tinha no mínimo 20 anos de Banco, ou seja, quem ingressou no Banco até 1947. A este contingente foi permitido filiação à PREVI para garantia das pensões. O Banco continua sendo o responsável pelo pagamento deste contingente, o chamado “Plano Informal”, verba P-220, composto por cerca de 7.000 aposentados, incluídos os que ganharam ações judiciais. Não receberam o BET. O Banco foi condenado a pagar benefícios a todos pré- 1967 que reivindicaram este direito na Justiça. Há caso em que aposentados que se filiaram à PREVI, demandaram e conseguiram dois benefícios, (Banco e PREVI), independente da data de ingresso no Banco ou de contribuições.
8-Aos que ingressaram no Banco entre 1947 a 1967 foi dada a opção de aderir à PREVI, para terem direitos ao complemento de benefícios. Este grupamento (1947 a 1967) contribuiu para a PREVI, somente a partir de abril de 1967. Anteriormente, nem o Banco e nem o funcionário contribuíram para a PREVI). Em consequência, foi criado um passivo previdenciário de (R$ 11,99 bilhões) apurado pelo Banco em dezembro de 1997.
9-Em 24/12/1997 foi assinado contrato Banco X PREVI para equacionar o passivo de R$ 11,9 bilhões, em que foram usado R$ 5,093 bilhões de superávit da PREVI. O saldo remanescente o Banco pagaria em até 30 anos. Foi liquidado em 2004, com uso de parte de superávits da PREVI. No bojo deste contrato foi aprovado o estatuto de 1997. O Plano I entrou em extinção.
Em 2007 a PREVI pagou o Renda Certa para todos que se aposentaram com mais de 30 anos de Banco, gerando benefícios exorbitantes, passando de R$ 1 milhão. Para chega a estes valores, possivelmente considerou tempo de Banco como sendo tempo de contribuição. É diferente!.
RESUMO: A Reserva matemática da PREVI foi formada com a contribuição de todos, gerou superávits que foram distribuídos de forma injusta. Mudança de Estatutos e Regulamentos criou anomalias no Plano. Por este outros motivos mantenho minha tese de que houve contribuições semelhantes para benefícios diferentes.
Para se manter atualizado, acesse, participe e adicionem o meu blog clicando no LINK: ajccarvalho.blogspot.com.BR

Abraço,

Carvalho”

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

O BET NÃO PODE ACABAR

Circulam informações sobre o fim do BET já para 2013. A PREVI publicou ameaças neste sentido. Mesmo assim, continuo acreditando que o BET continuará até 2014. Porém, toda mobilização e todo esforço é válido para evitar o pior. Veja o pronunciamento do Deputado Augusto Carvalho clicando no LINK:  http://www.youtube.com/watch?v=bR0987uqtwE&feature=youtu.be
O que mais me intriga é a postura do Diretor de Benefício que em campanha prometeu a incorporação do BET. Agora, depois de eleito, divulga a extinção antecipada. Isto significa a redução de 20% nos benefícios e volta das contribuições. Não fosse a maldita e abusiva resolução 26/2008 teríamos em 2010 cerca de 15% de reajuste nos benefícios, por força da LEI 109/2001. Devemos continuar lutando para a manutenção do BET e aprovação do PDS 275/2012 que objetiva cancelar os art. abusivos da referida resolução. Para participar do abaixo assinado que estou coordenando clique no LINK abaixo:
https://secure.avaaz.org/po/petition/APROVACAO_DO_PDS_2752012_EM_DEFESA_DOS_FUNDOS_DE_PENSAO/?launchhttp://
Participe. Divulgue.
Abraço,
Carvalho

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

O BET NÃO PRECISA ACABAR


Reproduzo, abaixo, mensagem que Valmir Camilo circulou na internet.
 
"Colegas,
A matéria de capa da Revista PREVI nº 173 de agosto de 2013, sinaliza o fim do BET.
Chama a atenção, ainda, para a possibilidade do retorno das contribuições. Dupla penalização para os associados da Previ.
Alguns anos atrás, em uma publicação da ANABB, afirmei que era muito fácil administrar a Previ, com a Bolsa marcando 70 mil pontos.
Era preciso se preparar para momentos, onde a fotografia das ações em 31 de dezembro, não fosse tão boa. Este é o sinal para 2013.
O BET não precisa acabar. Precisamos ser criativos e sair da armadilha da Bolsa de Valores. Como?
Como a Previ faz a valoração das empresas que não estão na Bolsa de Valores?
Uma assessoria especializada, certificada internacionalmente, faz a avaliação do ativo e aponta três cenários.
A Diretoria e o Conselho Deliberativo da Previ, escolhem o cenário, e considera o valor aprovado para a somatória dos ativos.
A NEOENERGIA é uma grande empresa, que não está na Bolsa de Valores, e seus ativos são valorados desta forma.
Como chegamos ao resultado da Previ? Total dos ativos, menos, reserva matemática e menos reserva de contingência.
Ou seja: somamos as reservas matemáticas com a de contingência e comparamos com o total dos ativos.
Se o total dos ativos for maior, temos superávit. Se total dos ativos for menor, temos déficit.
Simples assim.
As empresas listadas em bolsa, são valoradas pelo preço das ações no último pregão do ano. Como a bolsa está em queda...
É preciso fazer mais do que ficar esperando, e torcendo, pela fotografia da bolsa no último dia do ano.
A Previ, em comum acordo com o Banco, escolhe as principais empresas de seu portfolio é contrata avaliações dos ativos.
Será que a Previ VENDE suas participações na Vale, Petrobrás, Embraer, Paranapanema, Perdigão, e tantas outras, pelo valor de Bolsa?
Com certeza não. Elas estão cotadas por muito menos do que realmente valem e ainda tem o prêmio de controle destas empresas.
Basta virar o jogo, ignorar a crise da Bolsa de Valores e contabilizar o valor das empresas pelo valor real.
Com certeza o superávit vai aparecer e o fantasma do fim do BET vai desaparecer.
O BET não precisa acabar. Mas precisamos ser criativos e fazer diferente, sem colocar em risco os ativos da Previ.
Ou alguém acha que o valor de Bolsa é garantia definitiva para fixar o valor dos ativos dos fundos de pensão?
Convido os associados da Previ para este debate. Este sim vale a pena. Vamos salvar o BET, precisamos fazer alguma coisa.
A hora é agora. Convido, também, as entidades do funcionalismo, todos juntos contra o fim do BET.
Um forte abraço.
VALMIR CAMILO
Conselheiro Deliberativo eleito da PREVI.
1998/2002 e 2004/2008"

terça-feira, 22 de outubro de 2013

DESPESAS DA PREVI - RESPOSTA AO GERALDINO


Divulgo, abaixo, resposta que enviei ao colega Geraldino, postada  nos grupos e em e-mails de lideranças.
Abraço,
Carvalho
 
"Prezado Geraldino:
Atendendo sua solicitação, olhando rapidamente o Relatório da PREVI de 2012, repasso algumas informações, dentre outras importantes, no ano de 2012:
- Despesas Administrativas: R$ 236 milhões. Destaco: R$ 191 milhões com o Plano I, sendo: R$ 123 milhões com gestão; R$ 26 milhões gerais, R$ 20 milhões com honorários; R$ 945 mil com viagens. Note: Quem está faturando bem são os Advogados. Seria menos oneroso se corrigissem as injustiças;
- A PREVI pratica Taxa de Administração diferenciada, sendo: 4% do plano I; 1,5% do Plano II e 2,5% da CAPEC. Foi promessa de campanha reduzir a taxa de Administração, também não cumprida, a exemplo da não incorporação do BET, que foi uma promessa irreal, para não dizer irresponsável;
- A PREVI tem um quadro de 825 funcionários. Bons técnicos, no meu entendimento.
- Em 2012 Foram pagos R$ 8,4 bilhões de benefícios, incluído o BET, Renda Certa, Benefício de proporcionalidade e benefícios judiciais.
- Principais Investimentos do Plano I: Renda fixa, R$ 50,1 bilhões; Imóveis, 8,2 bilhões; Operações com participantes, R$ 5,2 bilhões; Renda variável, R$ 96,7 bilhões, desdobrado em: R$ 46,6 bilhões em ações; R$ 49,6 bilhões em Fundos de Rendas Variáveis, predominando investimento na Vale, da qual a PREVI tem 22% do capital. Este investimento na Vale e nas Energéticas são avaliados pelo valor econômico.
No referido Relatório a PREVI divulga, dentre outros orgulhos a sua visão de futuro, transcrita abaixo:
 Visão de futuro
Ser a melhor administradora de planos de benefícios do Brasil, sendo referência internacional, com excelência comprovada por indicadores em:
Práticas de gestão de ativos e passivos;
Satisfação dos participantes;
Custo administrativo (relação custo x benefício);
Responsabilidade socioambiental;
Produtos e serviços previdenciários;
Política de pessoal.
Ser motivo de orgulho para participantes
Grifos meu: Você concorda?
Na minha percepção a PREVI na prática continua distante da visão apregoada. Vejamos:
- Descumpre as boas práticas de Governança, ao indicar Conselheiros com Conflito de interesses;
- Descumprimento do Estatuto e Regulamento, pagando benefícios privilegiados e irregulares aos seus Dirigentes e do Banco;
- Resiste o cumprimento de determinação da PREVIC, que é o Órgão Fiscalizador, pagando benefícios privilegiados aos seus Dirigentes e do Banco, acima do TETO.
- Pratica taxa de Administração para o Plano I muito elevada.
Quem ainda não assinou,
Vamos assinar o Abaixo Assinado em apoio ao PDS 275/2012, tentando corrigir alguns abusos. Pode ser assinado manuscrito ou pela internet, clicando no LINK:
Abraço,
Carvalho
 






 


Abraço,

Carvalho

domingo, 20 de outubro de 2013

PREVI - NOSSO BOLSO


COLEGAS:
Atualização em setembro. Mesmo com ameaças da PREVI, continuo acreditando, a exemplo de 2012, que teremos o BET e isenção das contribuições até 2014. Vejamos:
1 - Os saldos provisionados, cera de R$ 1,8 bilhões em setembro, podem sustentar o pagamento do BET e a isenção das contribuições até julho de 2014. Ainda temos R$ 500 milhões de reservas de 2012, para possível uso em 2014. Para continuidade deste pagamento é preciso que o SUPERAVIT de dezembro seja maior do que 25% das Reservas Matemáticas. Do contrário, a PREVI reverterá valores provisionados para compor a reserva de contingência. Pode antecipar o fim do BET.
2 – Informalmente o Colega Aldo Alfano, Conselheiro Fiscal da PREVI, me adiantou que em setembro faltaram em torno de 1,6 bilhões para compor a reserva de contingência. A reserva especial para o BET ficou negativa em R$ 1,6 bilhões. Se fosse em dezembro o BET acabaria, voltaríamos a contribuir e nosso benefício seria reduzido em torno de 24%. Esta redução é inevitável. Deve ocorrer no máximo em 2014. Em setembro de 2012 o valor ficou negativo em R$ 2,9 bilhões. A situação era mais grave do que em 2013. Não fosse a Resolução 26/2008, que exigiu repasse de R$ 7,5 bilhões ao Banco, nosso benefício poderia ter sido reajustado em torno de 15% em 2010. Estaríamos livres destas angústias. É nosso dever combater por todos os meios este e outros abusos. Não bastam reclamações e falação de muitos. Precisamos de AÇÃO.
3 – A PREVI desembolsa cerca de R$ 600 milhões mensais. Com o 13 salário, até dezembro deverá pagar R$ 2,4 bilhões de benefícios. Somando-se a R$ 1,6 bilhões para cobrir a reserva de contingência, precisa de R$ 4 bilhões até dezembro. É necessário uma rentabilidade acumulada neste trimestre em torno de 2,5%. No primeiro trimestre foram 2,2%. No segundo foi -0,8. Em julho e agosto foram de 2,3%. Estimo 3,2% no terceiro trimestre. No último trimestre de 2012 foram de 4,8%. A PREVI renegociou títulos com o Governo. A Reserva especial foi de R$ 1 bilhão, não usada.
4 – Ressaltamos que do patrimônio de R$ 163 bilhões, cerca de R$ 97 bilhões estão em renda variável. Deste valor, cerca de R$ 35 bilhões da Vale e das Energéticas são avaliados pelo valor econômico. A PREVI é conservadora. Historicamente o valor econômico é inferior ao valor de mercado. Em 2012 o valor econômico ficou próximo ao do mercado. Certamente em dezembro será feita nova avaliação, podendo alterar os números acima comentados. Em outubro de 2012 a Bolsa somava 57.068 pontos e fechou dezembro com 60.952 pontos. Hoje soma 52.338 pontos. Este é mais um balizador. Outros fatores como inflação e elevação de juros também influenciam.
Enquanto isto, vamos apoiar o Projeto Dec. Legislativo que objetiva cancelar artigos abusivos da Resolução 26/2008, responsável por estas angústias. Clique no LINK: ABAIXO ASSINADO PDS 275/2012. Imprima o modelo, assine e colha assinaturas de Parentes e amigos, devolvendo-me conforme orientação no rodapé do documento. Desejando assinar pela internet clique no LINK:
Participe, divulgue. Vamos fazer nossa parte, combatendo os abusos em nossa PREVI.
Se desejar, visite, adicione e participe do meu blog, clicando em: http://www.ajccarvalho.blogspot.com.br.
 Abraço,
Antonio J. CARVALHO

domingo, 13 de outubro de 2013

PREVI - COMENTÁRIOS SOBRE O BET


Abaixo, publico comentários que postei nos grupos de discussões com cópias para algumas lideranças e entendidos no assunto.
Abraço,
Carvalho
 
"Concordo com a abordagem do Bomfim.
Porém, alguns números dos demonstrativos divulgados pela PREVI não estão claros, ao meu entender. Vejamos:
- Em 2012 o saldo dos Fundos destinados ao BET e ao Banco eram iguais. A partir de janeiro de 2013 o saldo destinado ao Banco R$ 2,037 bilhões, ficou menor do que o destinado ao BET R$ 2.528 bilhões;
- Em janeiro de 2013 o saldo do fundo destinado ao BET aumentou e o destinado ao Banco diminuiu. Não sei o motivo;
- Em 2012, a média mensal baixada no saldo do Fundo destinado ao BET foi de R$ 109 milhões. No segundo semestre os valores cresceram. Pelos reajuste dos benefícios?
- No primeiro semestre de 2013 a média mensal baixada para pagamento do BET foi de R$ 120 milhões. Em junho de 2013, o valor baixado foi de R$ 152 milhões, bem superior aos reajustes que tivemos. Em julho de 2013 foram baixados R$ 142 milhões;
- O saldo do fundo destinado ao BET em julho é de R$ 1,748 bilhões e o do Banco é de R$ 1,234 bilhões.
- Em julho as reservas para revisão do Plano ficaram negativas em R$ 3,265 bilhões. Logo, se fosse em dezembro o BET acabaria porque o saldo dos Fundos, tanto para o BET como para o Banco seriam revertidos para cobertura da reserva de contingência;
- Em junho a rentabilidade foi -2,17. Em julho dói de 1,69 e em agosto foi de 0,70.  A PREVI ainda não divulgou o ativo líquido de agosto;
- Em reunião em Porto Alegre, foi divulgado que a Conselheira Célia informou que a reserva especial em setembro foi cerca de R$ 2,6 bilhões negativa. Também o BET acabaria. A Conselheira teria dito que ainda é cedo para se afirmar o fim do BET. Concordo. No segundo semestre geralmente as bolsas sobem. Vai depender muito do cenário internacional, particularmente da briga política nos Estados Unidos.
- Na minha opinião, falta melhor transparência nos demonstrativos da PREVI;
- Os saldos dos fundos podem até sofrer influências das rentabilidades. Não sei dizer. - - De repente o colega Faraco que demonstra conhecer o assunto e o Aldo, do Conselho Fiscal, a Célia, do Deliberativo, podem apresentar explicações para as grandes variações dos saldos dos fundos, principalmente em 2013. Do contrário, cabe-nos consultar a PREVI;
- Em julho de 2013 o saldo destinado à isenção de contribuições era de R$ 386 milhões. A média mensal baixada do saldo deste fundo em 2013 foi de R$ 37 milhões.
Feitos os comentários e refletindo sobre os números que dispomos, caso o superávit em dezembro de 2013 seja maior do que 25% das reservas matemáticas podemos fazer seguintes previsões:
- Com a continuidade de baixa do saldo nosso fundo pelo último valor de julho de R$ 141 milhões mensal, o BET poderá ser pago até agosto de 2014;
- Se as baixas do saldo ocorrerem pela média do ano de 2013, R$ 129 milhões, mensal, o BET pode durar até setembro de 2014;
- Se as baixas forem pela média mensal de janeiro a maio de 2013, R$ 120 milhões, o BET pode durar até outubro de 2014.
- Com relação ao reinício das contribuições, considerando o saldo de R$ 386 milhões em julho de 2013 e a baixa deste saldo, média mensal em 2013 de R$ 37 milhões, podemos voltar a contribuir a partir de junho de 2014.
Finalmente, mesmo sem ter bola de cristal, a exemplo do ano de 2012, continuo acreditando que teremos o pagamento do BET até dezembro de 2014.
Enquanto isto, vamos continuar assinando o ABAIXO ASSINADO apoiando o PDS 275/2012 que objetiva cancelar artigos abusivos da Resolução 26/2008, responsável pela criação do BET, quando, pela Lei 109/2001 a reserva de R$ 15 bilhões em 2010 deveria ser usada para revisão do Plano, podendo implicar no reajuste do nossos benefícios em torno de 15%.
Aceito críticas, comentários, explicações, etc.
Se desejar, visite, adicione e participe do meu blog, clicando em: http://www.ajccarvalho.blogspot.com.br.
Abraço,
Carvalho"
 
 
 

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

PREVI - SENADORA APOIA O PDS 275/2012

Abaixo, transcrevo resposta que enviei à Senadora Ana Amélia, que apoia o PDS 275/2012.
 
"Senhora Bárbara:
Solicito agradecer à Nobre Senadora Ana Amélia, pelo empenho na defesa dos Fundos de Pensão, procurando coibir os abusos e ilegalidades praticadas, que podem comprometer o equilíbrio e a saúde financeira dos Planos e a sobrevivência dos Participantes e Assistidos. Conforme solicitado pessoalmente em Joinvile, quando entregamos correspondência subscrita por mais de 500 assistidos da PREVI, gentileza lembrar à Ilustre Senadora a importância da elaboração de Parecer alternativo ao do Senador José Pimentel, relator do PDS 275/2012 na Comissão de Assuntos Econômicos, considerando que o referido Senador assinou a Resolução 26/2008 e solicitou o seu deslocamento da Comissão de Cidadania e Justiça para a Comissão de Assuntos Econômicos. Continuo empenhado na busca de assinaturas do ABAIXO ASSINADO em apoio ao PDS/275, modelo anexo, para o qual já conto até o momento, com mais de 20 mil adesões. Solicito a apoio de todos.
Estou publicando no blog: http://www.ajccarvalho.blogspot.com.br e no Facebook, com cópia para algumas lideranças, pessoais e Institucionais.
1 – FAABB – Federação das Associações de Aposentados do Banco do Brasil que congrega 28 Associações de aposentados e sua Presidenta, Isa Musa;
2 – ANABB – Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, que congrega cerca de 105 mil associados, da qual sou Conselheiro Fiscal e ao seu Presidente, Sergio Riede;
3 – AAFBB – Associação dos Aposentados e Funcionários do Banco do Brasil, que congrega mais de 30 mil associados e seu Presidente, Gilberto Santiago;
4 – AFABBS – Associações de Funcionários Aposentados do Banco do Brasil;
5- Grupos de discussões da Internet e algumas lideranças.
Gentileza manter-me informado das providências.
Atenciosamente,
Antonio J. CARVALHO.
  Barbara da Rosa Salles [mailto:BARBARAR@senado.gov.br]
Enviada em: quarta-feira, 9 de outubro de 2013 15:05
Para: ajccarvalho72@gmail.com
Assunto: RES: PREVI - PDS 275/2012
 
Prezado Senhor Antonio Carvalho,
            Por solicitação da Senadora Ana Amélia agradeço sua correspondência. Informo que estaremos atentos ao PDS 275/2012, de autoria do Senador Paulo Bauer, que objetiva cancelar artigos abusivos da Resolução 26/2008 do CGPC – Conselho de Gestão da Previdência Complementar que, extrapolando a Lei Complementar 109/2001, permite os Fundos de Pensão destinar parte das reservas aos Patrocinadores. Esclareço que o referido projeto aguarda realização de audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal.
            Ressalto que a audiência pública requerida pela Senadora para tratar sobre a situação dos fundos de pensão brasileiros foi pré-agendada para o dia 5 de novembro, terça-feira. O gabinete está à disposição.
Atenciosamente,
 
Bárbara Salles
Assessora Parlamentar - Gabinete da Senadora Ana Amélia
Praça dos Três Poderes
Senado Federal
Ala Senador Afonso Arinos – Gab.7
70165-900 - Brasília - DF
Telefones: + 55 (61) 3303-6085
               + 55 (61) 3303-6084  
Fax: 61 3303–6091"