segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

PREVI - REAJUSTE DE BENEFICIOS


Colegas,

Em novembro de 2012 a PREVI aprovou alteração do mês para reajuste de nossos benefícios que ao invés de junho serão reajustados em janeiro. O processo está tramitando no Governo e PREVIC.  Após a provação e alteração do Regulamento, acredito que a PREVI fará os ajustes retroativo a janeiro de 2013.
O INPC acumulado de junho a dezembro de 2012 é de 3,82%. Com esta mudança, o próximo reajuste será somente em janeiro de 2014.
Na minha opinião a mudança de junho para dezembro é mais coerente, pois vai coincidir com o fechamento do balanço e relatório da Administração da PREVI e com o reajuste do INSS.
Conforme prometi, ainda esta semana enviarei ao Grupo Assessor Temático da ANABB que trata do Plano I da PREVI, sugestão para mudança nos critérios de reajustes. Sei que não será fácil convencer o Banco e o Governo, mas, vale a pena tentar.
OBS: A PREVI ainda não divulgou a rentabilidade de dezembro e nem se manifestou oficialmente sobre a continuidade do pagamento do BET em 2013. Porém, como previ, não tenho dúvidas sobre a continuidade, sem que haja interrupção em janeiro.
Abraço,

Carvalho

9 comentários:

Unknown disse...

Existe coerencia em passar a fazer o reajuste da PREVI no mesmo mes do INSS -- ao menos enquanto perdurar o BET, pois na condição atual haverá descompasso no valor líquido; no meu caso é certa a redução, pois o BET incide sobre o complemento PREVI, e este será reduzido por força da elevação do valor INSS e submissão do total ao teto PREVI. Ideal seria conseguir-se transformar o BET em BEP -- difícil mas não impossível (bastaria alijar o Patrocinador da condição de "beneficiário" outorgada de forma inconstitucional pela Res. 26).

Luiz Faraco, de Florianópolis (SC)

Anônimo disse...

Carvalho, parabéns pela iniciativa.

Penso que, primeiro devemos nos inteirar/estudar os dois últimos estatutos da PREVI.

Focar a análise nas normas sobre mudanças de metodologia de cálculo das aposentadorias.

Assim, podemos saber quem se beneficiou com essas mudanças.

Fazer uma tabela informativa dos reajustes aplicados pela PREVI e aplicados pelo INSS para atualização dos benefícios.

Relacionar os indexadores utilizados pela PREVI para atualizar o benefício.Fazer tabela comparativa entre os indexadores.

Assim, podemos visualizar o que deixamos de ganhar.

Buscar os Fundamentos da Parcela PREVI e o por que de sua continuação.


Estou na ativa, estou disposta a contribuir com a elaboração da proposta de reajuste, mas antes, preciso conhecer para buscar os fundamentos.

Não é tarefa simples, mas se cada um de nós contribuir com o que conhece, podemos ir longe e construir uma boa proposta.

Rita.

Antonio Carvalho disse...

Prezada Rita:

Grato por se disponibilizar na ajuda de construção de alternativas de mudanças na PREVI.
Muito bom e coerentes seus comentários.
- Anteriormente já circularam muitas informações a respeito das vantagens e desvantagens dos estatutos de 1967 e de 1997. Eu mesmo já divulguei através de e-mail e fui mais longe, buscando o estatuto anterior ao de 1967 e até uma portaria de 1947. Tenho todo material;
- Já divulguei informações neste sentido, retroagindo a 1998. Estou ultimando estudo considerando os últimos 6 anos (2007 a 2012) contemplando reajustes da PREVI, INSS, Salário mínimo, BB, e vários indexadores, como CDI, INPC, Selic, IGPM, Bolsa, etc.trazendo, quando possível para a base de dezembro, visto que o mes de reajustes dos nosso benefícios passará para janeiro já em 2013.
- Já divulguei, tudo antes de editar o meu blog, os fundamentos da Parcela PREVI, os seus efeitos negativos, os seus ajustes ao longo do tempo, sugestão para novos ajustes, etc;
Podemos trabalhar suas sugestões, que já demandei estudos ao Grupo Assessor Temático da ANABB que trata do plano I em dois momentos:
1 - Imediatamente, no que se refere a reajustes de benefícios;
2 - Posteriormente, no que trata de alinhamento do plano, momento em que consideraria o estatuto de cada época, que gerou 4 grupos dentro do plano, conforme já evidenciei, parcela PREVI, política de reajustes do Banco X reservas de poupança da PREVI, etc.
Continuo à sua disposição e de todos, também no e-mail: ajccarvalho@bol.com.br e telefone: 71-88736105.
Abraço,

Carvalho

Anônimo disse...

Sr.Carvalho,
parabéns pelo seu blog, também para os comentários de Rita.

Vejo um trabalho consistente e calcado em números que nos mostram o retrato do PB1, seu primeiro artigo.

Acredito que haja um erro no item 'c' do "Relato do Diretor Arnaldo" que vi no olharcoruja.blogspot.com.

Diz ali " repassar aos aposentados pré 97". Entendo que o correto seria "ingressados antes de 1997 e aposentados após 1997 (PÓS-97).

Me corrija, por favor, mas o Estatuto previa base de cálculo 100 % até 24.12.1997 e após isso ficou em 75 % e elevado para 90 % a partir 2011.

Para exemplificar (sem contar eventual venda licença-prêmio que constava no cálculo ou tempo além de 30 anos), se a base for R$ 5.000,00 teremos aposentadoria de R$ 5.000,00, classificado aqui como aposentado PRÉ-97.

Por outro lado, para o mesmo valor, aplicado 75 % temos R$ 3.750,00, este é o PÓS-97, até 30.12.2010.

Para recompor o benefício do PÓS-97, claramente prejudicado, temos de acrescentar ao valor 3.750,00 o percentual de 33,33 %,
ou seja R$ 1.249,87, aprox. R$ 1.350,00.

Li noutro blog ter havido grande indignação pois pediram sanar injustiças em relação ao aposentado pré-97.

Creio que houve lamentável erro de comunicação, me recuso acreditar que seja guerra de informação.

Abraço.

Antonio Carvalho disse...

Prezado Anônimo:

O que o Arnaldo reivindica é corrigir os benefícios dos aposentados antes de dezembro de 1997 considerando que não tiveram a possibilidade de terem benefícios concedidos pelo teto de 75/90% previsto para os aposentados posteriormente, cujo critério de cálculo é: 136% do VP + anuênios ou 90% dos proventos totais, o que for maior.
Somente se beneficiaria em casos de 90% dos proventos totais serem maiores que 136% do VP + anuênios.
Até 1997 o limite era de 136% do VP + anuênios. A partir de 1997 prevaleceu o maior entre 136% do VP ou 75%/90% dos proventos totais. Até 1997, postos efetivos e comissões menores chegavam ao teto de 136%, incorporando vendas de férias, licença prêmio, etc. Após 1997 não mais foi permitido e isto implicou redução de benefícios dos ganham menos, que é a grande maioria.
Na realidade o estatuto da PREVI nunca previa 100% do salário. O teto era de 10 salários mínimos ou 136% do VP + anuênios. Ocorre que antigamente os VP eram elevados e as comissões eram baixas, equivalente, via de regra a 36% do VP. Desta forma, na prática, 136% do VP era equivalente a 100% dos proventos totais, em muitos casos. Os postos efetivos faziam horas extras e com as vendas chegavam perto do teto de 136% do VP. A diferença dos benefícios eram pequenas, diferente do que ocorre atualmente em que aposentados antes de 1997 recebem da PREVI o dobro dos que se aposentaram depois. Para isto, contribuiram, além de alterações de estatutos e regulamentos, mudanças nas políticas de salários do Banco, implicando em achatamento de benefícios da PREVI.
Espero ter esclarecido.
Abraço,

Carvalho

Anônimo disse...

Oi Carvalho como estão asnegociações para o reajuste de janeiro de 2013? a PREvic já liberou? todo mundo sabe que é necessário um período de tramitação, porque a PREV I não faz as coisas em tempo hábil? deixa tudo pra cima da hora e a gente tem que ficar esperando...não se admite mais ssa forma de administração...é inconcebível...se o reajuste é para janeiro tem estar pronto em no máximo dezembro...quanto ao percentual de reajuste, em qualquer tempo que ele for mudado vai acontecer isso,,,a não ser que a PREVI dê um aumento real o que nós sabemos que não vai acontecer...qualquer modificação tem ser aprovada pela PREVIC e aí só em 2015...e o percentual das pensionistas? há muito tempo que o INSS é 100%...o estatuto da PREVI está caduco...

raul britto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
raul britto disse...

Raul 26 de março de 2013
Carvalho, quando o funcionário do Banco do Brasil filiado a PREVI se aposenta, ele pode optar em receber somente pelo INSS e pedir de volta toda a contribuição da PREVI? É feito o cálculo das contribuições e ele recebe tudo de volta descontados os encargos, taxas etc.. O funcionário que entrou no banco em 1974 e vem recebendo desde 1997 aposentadoria do INSS e da PREVI, pode optar também em ficar somente com a aposentadoria do INSS e pedir de volta junto a PREVI toda a devolução da contribuição descontando os empréstimos, taxas, e como seria feito esse cálculo?

Anônimo disse...

Se os Tribunais Superiores (TST..STJ) reconhecem que na Previdência Privada, Estatutos novos (24/12/97) nao podem promover alterações que resultem prejuízos aos Fundos e aos seus segurados, PORQUE a PREVIC não obriga a PREVI a aplicar essa norma ADMINISTRATIVAMENTE com relação ao Regulamento de 1980 para os funcis aposentados pós 01/01/1998?

Marcelino Maus
maus@wln.com.br
46-9900-5773