sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

PREVI - O BET - A BOLSA E A VALE


Existem, DE FATO, ameaças de extinção do BET em 2013 e volta das contribuições, conforme já foi divulgado pela PREVI. Acabando para nós também acaba para o Banco. A continuidade do BET em 2014 vai depender muito da rentabilidade dos recursos aplicados em renda variável, em que a PREVI tem cerca de 60%, em especial na Vale, onde a PREVI aplica, através da Litel@Valepar, cerca de 22% do seu capital total, detendo cerca 15% do total da Vale. Trata-se de grande concentração em uma única empresa. A PREVI está desenquadrada. O máximo de aplicação em uma única empresa é de 10% do capital total. Esta anomalia foi autorizada pelo Conselho Monetário Nacional em 2004 e revista em 2010. Para efeito de ativo líquido a participação na Vale, bem como nas empresas de energia, é avaliada pelo valor econômico, fluxo de caixa descontado. Grosso modo segue indicadores da PREVI na Vale, últimos 4 anos:
ANO      V.ECONÔMICO-bilhões   V.MERCADO-bilhões VALOR AÇÃO    PONTUAÇÃO DA BOLSA
2009              31                                     40                                49,50                    68.588
2010              34                                     45                                53,30                    69.304
2011              35                                     32                                39,40                    56.754
2012              33                                     33                                40,80                    60.952
HOJE             27                                     -                                   33,20                    50.844
A avaliação é feita por Bancos especializados. A PREVI costuma ser conservadora. Em 2009 e 2010 o valor Econômico foi cerca de R$ 10 bilhões menor que o mercado. Em 2011 o valor econômico superou o de mercado em R$ 3 bilhões.
O impacto direto da bolsa na PREVI é de 27% onde estão concentradas aplicações em grandes empresas como Bancos, Petrobrás, Ambev, Brasil Food, Embraer, etc.
A PREVI tem 10% do seu capital no Banco do Brasil, cujas ações se encontram estáveis, em relação a 2012. Na Petrobrás, onde a PREVI tem cerca de R$ 7 bilhões, as ações caíram 10% entre final de novembro e início de dezembro, ficando no patamar de dezembro de 2012.
Conforme divulgado pela PREVI, em setembro, faltaram R$ 1,5 bilhões para completar os 25% da reserva de contingência, exigido para continuidade do BET em 2014. A rentabilidade total acumulada até outubro é de 7,52%. Como sou otimista, mesmo ciente das ameaças, acredito que em dezembro pode-se obter rentabilidade acumulada superior 11 % e continuidade do BET até final de 2014. Não fosse a malvada resolução 26/2008 que poderá ser alterada pelo PDS 275/2012, nossos benefícios poderiam ter sido corrigidos em 15%, conforme  a Lei 109/2001 e estaríamos livres desta angústia. Para apoiar o PDS 275/2012 clique no link abaixo:
https://secure.avaaz.org/po/petition/APROVACAO_DO_PDS_2752012_EM_DEFESA_DOS_FUNDOS_DE_PENSAO/?launch.
Aceito comentários, contribuições e correções.
Abraço,
Carvalho

14 comentários:

marceloveigadealmeida disse...

Prezado Antônio José Carvalho: Eu também procuro esperar o balanço final. Arrisco afirmar que não obstante a concentração das ações como o senhor mencionou - não é possível que os componentes da atual chapa, 'a exemplo do atual governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, não estejam sentindo na pele a imagem arranhada; a sensação de seus colegas os apontarem como "pelegos" (Isso da forma mais respeitosa e coerente possível. Sem querer difamar nem injuriar A ou B, fique bem claro isso),além de não reconhecerem que o discurso eleitoral foi demagógico; fora a tentativa indecente de incorporar R$ 80 mil ao bolso sabendo que o teto constitucional é de R$ 34 mil,etc - mais uma vez, sem fazer alusão a ninguém ou a alguma associação, tenho lido que já se articulam ações para o "(...) Cumpra-se" do acordado, fora o embate eleitoral. Não esqueçamos que o BB ainda deve um valor expressivo aos inativos do pré-1967, a ser depois revertido a reserva especial. Será que a matemática eleitoral essa fora não faz superávit? Aguardemos. Um forte abraço, amigo!

lusitoo disse...

Prezado Carvalho,

Em primeiro lugar, quero dizer que sempre acompanho de perto tua luta incansável e de diversos colegas nas causas relacionadas à nossa Previ. Passei para o time dos aposentados há um mês e, a partir de agora, pretendo me engajar mais nos assuntos e na defesa do nosso fundo de pensão.

Parece que o sinal amarelo que suscitou discussões para o fim do BET piscou com a publicação do relatório financeiro e contábil de julho deste ano, e de lá até início de dezembro, houve significativa mudança de cenários.

Em julho, tínhamos taxa selic de 8,50 % e, em dezembro, passou para a casa de 10 %, que influenciará na remuneração dos recursos aplicados na renda fixa, E o índice Ibovespa, que em final de julho estava no menor nível do ano - 45 mil pontos - , poderá chegar no final do ano em torno de 51 mil pontos - evolução de 13 %. Apenas as ações da Vale evoluíram 28 % de julho para cá, e deverá influenciar positivamente na sua avaliação de mercado. Em contrapartida, as reservas garantidoras, evoluíram em menor nível de julho para cá, e o INPC sofreu involução no acumulado de doze meses.

Afora isso, a Previ está adiantada em relação a outros fundos de pensão, quando aproveitou a sequência de superávits para adotar taxa conservadora de juros atuariais, bem como adoção de tábua mais adequada de mortalidade - tábua de mortalidade AT-2000 e taxa atuarial de juros de 5 % são premissas altamente favoráveis a um fundo de pensão e até estão à frente do que exige a legislação.

Na atual conjuntura, acho que a Previ não corre risco atuarial ou financeiro; político, talvez. E basta vontade política para continuação do BET.

Sucesso na luta.

Luiz Silvestre Topanotti
Aatuário

Antonio Carvalho disse...

Prezado Luiz:
Bem vindo ao grupo dos aposentados, do Banco, da luta e da vida nunca devemos aposentar.
Como atuário, Você pode e deve contribuir bastante em nossas discussões e análises, com seu conhecimento e experiência técnica. Com relação a bolsa, sou mais otimista que você e acredito que fechará aos 53/54 mil pontos.
As ações da Vale, embora tenha melhorado no segundo semestre, estão desvalorizada em cerca de 18% em relação a dezembro de 2012. Ocorre que as ações da Vale não interferem no patrimônio da PREVI porque são avaliadas pelo valor econômico, fluxo de caixa descontado. A valor de mercado a Vale representa para PREVI, hoje, cerca de R$ 27 bilhões. Resta saber por quanto será avaliada a valor econômico. Você esta correto. Preservadas as premissas econômicas, ainda existe um boa margem para considerações políticas.
Enquanto isto, Banco e PREVI insiste em descumprir o Teto de Benefício aprovado em 2008, cujo prazo para implantação venceu, pela quarta vez, dia 02 de dezembro. A rigor já deveria ter havido intervenção na PREVI a muito tempo. O mais grave é a interferência dos Ministérios da Fazenda e do Planejamento em assuntos da PREVI, elevação do teto, a pedido de dirigentes do Banco e da PREVI, posicionando-se contra o Ministério da Previdência/PREVIC. Um absurdo! Estão desafiando a PREVIC e a LEI. Veja reportagem do Estadão de hoje sobre este assunto.
Estou elaborando mensagem para publicar no blog.
Abraço,
Carvalho

Anônimo disse...

Concordo com tudo que foi dito, em especial o lusitoo. Se me permitir um aparte, acrescentaria que a "PREVI" dessa vez tem que ser cobrada uma auditoria da próxima chapa eleita. Seja ela de situação ou oposição! Falta fiscalização e transparência no gasto e gestão, tanto que permitiu essa resolução nefasta pois o acordo foi vendido eleitoralmente com a promessa até 2014. Mal e porcamente cumpre, pois querem antecipar - sob suposto escopo da legalidade, com "as barbas de molho"; com interesses escusos e deixando de lado a função republicana a que deveriam se dedicar alguns membros da atual direção (Deixo claro, pois não quero banalizar. Toda regra tem exceções.O fundo de pensão em si tem servidores que também não podem pagar "o pato" pelas decisões que vem de seus patrões, em particular o Palácio do Planalto. Há a problemática do sustento de suas famílias... só que somente dentro da legalidade, moralidade, publicidade, enfim: Aquilo que se espera dentro do estado democrático de Direito - coisa que esse governo passa para a história como um dos mais corruptos. Lamentável!!!

Anônimo disse...

Acabo de enviar a mensagem abaixo à PREVI. Sei que não será considerada já que darão respostas evasivas. Vale pelo desabafo.
Getúlio Martins Rodrigues
MENSAGEM À PREVI
Li a mensagem "PREVI esclarece algumas questões relacionadas ao chamado teto de benefícios". É mentirosa. Sempre existiu um teto para a aposentadoria. Ainda que exista fundamentação legal para amparo dessa "hipocrisia" de teto de R$ 81 mil para diretores, ela é anti-ética, vergonhosa, imoral e discriminatória. Ela foge totalmente à média paga aos milhares de aposentados da PREVI. Estão criando uma "casta" indiana denominada "brahmin", enquanto nós, os "dalit", considerados os párias da sociedade indiana, vamos continuar recolhendo lixos e limpando esgoto. A Previ, vergonhosamente solta dois comunicados. O primeiro informando que o BET dos "dalit" será cortado e outro informando que os "brahmin" continuarão recebendo salário exorbitantes. E não fala nada dos aposentados depois de 1997, altamente prejudicados com a famigerada "parcela previ", que também criou mais "dalits". O sistema PREVI dessa maneira está privilegiando uma casta. Até quando?

Anônimo disse...

Carvalho, entre no blog do Ricardo Setti e procure a matéria sobre Previc e BB- os salários. Você melhor do que ninguém pode explicar tudo lá. Abraços.
Claudia do Rio

Sandra disse...

Assinei a petição

Anônimo disse...

Caro Carvalho,
Não podemos jogar a toalha. Vamos morrer no campo de batalha. Com agressões físicas, se precisar.

Anônimo disse...

O que va previ está preparando para nós, como mensagem de natal?

fernando disse...

Carvalho, vejo sempre seu blog e noto que está sempre ligado nos números da PREVI. Uma pergunta ao colega - Nosso Ativo total, aumenta sempre(veja comparação set\out 2013, só que daí começa os calculos atuarias , provisões, e aí que está o problema, quem vai saber se estes números estão certos. Ali pode ser jogado, milhares de hipóteses, ou seja, que querem q de lucro, diminuem as provisões atuarias, se querem que de prejuizo, aumentam. Ou seja, estamos num mato sem cachorro. OUtra coisa, o índice Bovespa. Todos comentários dizem q a Bolsa tem chegar a tanto, ou está baixando. Aí que vem a pergunta, Caro colega, muitas ações sobem e descem, e como vamos saber ,quanto representa as nossas ações no IBOVESPA? E temos ações q nao estão na bolsa, e são avaliadas por valor de mercado. Obrigado e parabéns pelas belas explanações que nos comtempla. luiz fernando

Anônimo disse...

Câmara dos EUA aprova acordo orçamentário para os próximos 2 anos. Agora a BOVESPA vai...

Antonio Carvalho disse...

Prezados:
09/12 - 15.15 hs. Entendo e concordo muito com o seu desabafo.
10/12 - 04.11: hs é verdade. Sempre existiu um teto. Agora, criaram e querem manter a todo custo mais um grupo na PREVI. Devemos continuar lutando para a reversão do quadro.
10/12 - 07.10 hs: Estou acabando de elaborar uma mensagem para compartilhar com os colegas e vou postar também no blog indicado.
12/12 - 3.54 hs: Os ativos aumentam mais ou menos de acordo com a rentabilidade da PREVI. O passivo aumenta em função de queda nos juros, elevação da tábua de mortalidade, etc.É complexo e existe pouca transparência. O mercado de ações é muito dinâmico. Normalmente um grupo de megas empresas é quem dão um rumo na bolsa. Algumas empresas são avaliadas pelo valor econômico, ou seja, independe da oscilação da bolsa.
Este final de semana pretendo compartilhar artigo que ultimando sobre o problema do teto de benefício não cumprindo mais uma vez pela PREVI.
Abraço,
Carvalho

Anônimo disse...

Meu amigo Carvalho,
Estou com saudades de seus comentários. Andas tão distante. Ficou com medo da cobra de Medeiros. Eh eh eh. Só para descontrair um pouco e quebrar a tensão.

Antonio Carvalho disse...

Lá vai novos comentários sobre o teto e a participação do Diretor Marcel no Senado, onde estava presente.
A cobra do Medeiros é inofensiva!. Faz medo mas não morde ninguém.
Abraço,
Carvalho