sexta-feira, 11 de julho de 2014

EMPRÉSTIMO SIMPLES - REINICIO DE COBRANÇA


Continuo recebendo mensagens de muitos colegas aflitos em virtude das ameaças do reinicio da cobrança das prestações dos empréstimos simples em julho, suspensas desde janeiro de 2014, para amenizar a situação financeira de milhares de colegas endividados.
 No inicio de junho apresentamos sugestão à Diretoria para alongamento do prazo e carência de 6 meses . No final de junho, registrei na reunião do Conselho a inquietação e angústia de milhares de colegas que enviam mensagens por e-mail e fazem comentários nos blogs. Até o momento não foram criadas alternativas atenuantes. Lamentável.!
Leia abaixo o que a Diretora Cecilia Garcez postou em seu blog nesta data:

Carvalho

 “Caros colegas,
Eu entendo perfeitamente o desabafo de todos, sejam os que confiam no grupo que foi eleito e que nos ajudou nessa vitória ou sejam os que não nos elegeram e estão frustrados com o resultado e, de repente, torcendo para que a nossa gestão não dê certo.
Não tenho como evitar a revolta, pois também me incomoda essa forma de agir em relação as propostas que interessam os associados. Se fosse algo que beneficiasse o Banco, acredito que a postura seria bem diferente, mas como é algo que só interessa aos associados, a situação complica.
A nota da diretoria de Seguridade foi apresentada e eu é o diretor Decio registramos voto contrário, pois entendemos que a proposta apresentada não atende os associados, porém parece que haverá outros registros e não tenho como antecipar como ficará. Assim que houver o desfecho final, eu compartilharei com vocês.
Gostaria de ressaltar que todos sabiam e sabem como funciona a governança na Previ. Em nenhum momento da nossa campanha prometemos o que não poderíamos entregar, por isso sempre utilizamos a expressão: "Vamos lutar para..." E já estamos fazendo isso e continuaremos defendendo os interesses dos colegas. Adoraria divulgar uma boa notícia, aliás, uma das poucas de alçada da Diretoria, porém não foi possível.
10 de julho de 2014 22:10”

20 comentários:

Cláudio Almeida disse...


Prezado Carvalho,

A manutenção da suspensão em julho/14 sem qualquer consulta aos mutuários e a devolução aos que se manifestarem contrários, através de crédito em conta corrente, até uma solução consensual, que atenda Previ e mutuários. Acredito que a Diretoria de Seguridade não se oporia. Dos males, o menor.

Abraços

NIVALDO ELIAS DOS SANTOS disse...

COLEGAS APOSENTADOS E PENSIONISTAS. EH HORA DE TOMARMOS PROVIDENCIAS REAIS CONTRA A PREVI E SEUS USURPADORES. CHEGA DE CHORAR PEDINDO ESMOLAS. ISSO SOH NOS ENFRAQUECE. TEMOS QUE MOSTRAR DE QUEM EH A PREVI REALMENTE. VAMOS CONTRATAR UM ESCRITORIO DE ADVOCACIA E ABRIR ACOES CONTRA A GOVERNANCA DA PREVI E AO MESMO TEMPO E URGENTEMENTE, VAMOS PROCURAR A REVISTA "VEJA" E PEDIR UMA PUBLICACAO EXTENSA CONTANTO A OPINIAO PUBLICA O QUE DE FATO ESTAH OCORRENDO COM A PREVI. CHEGA DE ESMOLAS. FACASMO ALGO E MOSTREMOS QUEM REALMENTE EH DONO DA PREVI. VAMOS DAR NOMES AOS BOIS PUBLICAMENTE E PROCURAR A JUSTICA COM PEDIDOS DE LIMINARES - JAH.
OS INTERESSADOS PODEM ME CONTATAR PELO E-MAIL nickytalit@gmail.com.
NIVALDO ELIAS DOS SANTOS

Marco Orlando disse...

Primeiro cobram por notícias da Cecília sobre o E.S., depois quando a Cecília informa, DA ÚNICA FORMA QUE LHE É PERMITIDO INFORMAR, criticam também. Será que esses críticos acham que a Cecília tem o poder de resolver sozinha? será que basta dizer "eu quero assim e pronto". Colegas e amigos, não é assim que funciona em nenhuma corporação, ainda mais no maior fundo de pensão da América Latina.
Estou junto de vocês, na mesma situação em relação ao E.S. e por não ser mais AN0NIMO já estou sofrendo retaliações severas por parte do BB.
Acho correta a forma como a Cecilia vem se comunicando, pois é a única possível.
Quanto a eventuais manifestações na PREVI, dentro ou fora, estou de plenamente de acordo e participarei, desde que seja EM APOIO aos eleitos da Chapa 3 (Cecília, Décio, Carvalho, Medeiros, Zanella e os demais) e contra a gestão dos indicados e do Marcel.
Qualquer repúdio aos eleitos neste momento, estarei combatendo.
Marco Antonio Orlando

Anônimo disse...

Não devemos brigar nem pregar a desunião.Temos que ter comprensão e paciência até porque não temos outra alternativa.Os associados precisam moderar as cobranças mas os eleitos precisam parar de repetir "nunca dissemos vamos fazer"

Anônimo disse...

Prezado Carvalho, obrigada por nos alertar é isso que esperamos de vocês a verdade mesmo que doa, só queria completar que quando diz"para amenizar a situação financeira de milhares de colegas endividados", realmente estavam todos endividados em janeiro deste ano quando ocorreu o corte do BET(que fora negociado até dez-2014) e a volta das contribuições, é bom lembrar a irresponsabilidade da PREVI com seus associados, que já endividados se tornaram MENDIGOS de janeiro para cá, e é isso que estamos fazendo mendigando!chega! desculpe o desabafo , bom dia Carvalho.

Rosângela disse...

Caro Carvalho,
Quando os elegemos, pensávamos que poderiam tudo, mas como você mesmo nos alertou,depois de eleitos,que o quadro de governança na Previ não havia sido renovado por inteiro e que ,portanto, continuaríamos nas mãos daqueles que fazem o jogo do Banco, da política.Infelizmente, estamos diante de um caso que vem nos comprovar isso.Mas como nossas esperanças nunca cessam, vamos aguardar que outras propostas venham ser anunciadas por Cecília Garcez, dentro das expectativas da maioria, ou sejam: a suspensao das prestações do ES até o final de 2014, ou, melhor ainda, o empréstimo sugerido por voce,Carvalho.Abraço.

Anônimo disse...

Carvalho.

Na pratica eu ainda não entendi seu posicionamento.

Você diz que apresentou estudos no sentido de aumentar as parcelas, sem aumentar o teto do endividamento.

Exemplo:

130 mil de limite.

hoje 120 parcelas dentro da formula 170 idade-numero de parcelas até 120.

Ou vocês pediram para suspender as parcelas até final de 2014, ou seja os meses restantes.

A Cecília não disse ao certo qual foi a proposta e também não disse se a diretoria de seguridade acatou a oferta do Conselheiro Carvalho.

Att.

Roberval Divino Maciel de Campos
Aposentado

Antonio Carvalho disse...

Colegas:
Agradeço as manifestações de apoio, compreensão,os desabafos e os incentivos e a paciência.
Durante a campanha dissemos o tempo todo que a gestão é compartilhada e paritária e que na Diretoria as decisões ocorrem por maioria simples, ou seja se os eleitos votarem juntos haverá empate e daí há de se buscar negociação. Diretores que discordarem podem e devem registrar voto em separado.
No Conselho, haverá o voto de minerva e mesmo que os eleitos votem juntos o Banco pode aprovar o que desejar. Os discordante podem e devem apresentar votos em separado. Dissemos o tempo todo que iriamos lutar e que iríamos encontrar muitas barreiras.
Anônimo: (11/07 16.35 hs)
Não fiz estudo porque não disponho de todos elementos e o tema se reveste de alguma complexidade técnica. O que fiz foi apresentar sugestão para alongamento do prazo dos empréstimos simples com carência de 6 meses para reinicio de cobrança das contribuições e antecipar para julho a mudanças nas regras de benefícios.
Ciente da luta dos eleitos, (chapa 3), acreditamos que haverá sensibilidade da Diretoria para amenizar a situação de milhares de colegas endividados. A decisão ocorrerá na próxima reunião do dia 15 de julho. Continuaremos acompanhando.
Carvalho.

jurandir waltrich disse...

Caro Carvalho!
Lembro da reunião que tivemos aqui em Baln.Camboriu, sabíamos das dificuldades, inclusive do voto de Minerva, mais temos que continuar lutando juntos, para conseguirmos atingir nossos objetivos, o principal, na minha maneira de ver, é acabar com este famigerado voto de Minerva, razão pela qual só interessa ao BB.
Abraços.

Marco Orlando disse...

Prezado Carvalho,

Tenho estranhado as aparições do Rossi e agora do Juarez Barbosa.
Durante todo o período das eleições estiveram ausentes, quando poderiam prestar contribuições valorosas, dada a inteligência e conhecimento demonstrado por ambos.
Agora, o colega Juarez joga duro com os endividados(não lhe tiro a razão, quando afirma que o endividamento é a pior solução). Mas não acho correto fazer juízo da vida alheia e ficar atirando aos ventos ao afirmar que são pouquíssimos os colegas com endividamento severo. Muitos ao invés de pedir ajuda a familiares fazem o contrario: Ajudam seus familiares.
Conheço colegas pré/97 que se aposentaram no posto efetivo ou como CAIEX, assistente ou auxiliar e ganham valores superiores a R$ 6.000,00 (seis mil reais), e até R$ 10.000,00(dez mil reais) e acham pouco e condenam até mesmo via os nossos blogs, aqueles que resolveram seguir carreira, abdicando de estudos, laços familiares, amigos de infância, etc., chegaram a Gerentes e se aposentaram após 1997 com valores em torno de R$ 10.000,00 (dez mil reais) a R$ 12.000,00 (doze mil reais), sem falar nos que se aposentaram na gerencia média após 1997 e recebem hoje menos de 50% do valor do mesmo cargo atual.
Talvez o Juarez não saiba o que passamos ao interromper os estudos de nossos filhos por diversas vezes em razão das remoções que éramos submetidos. Talvez ele não saiba de nossos sacrifícios para manter os estudos de nossos filhos em outras cidades, longe de nós, em razão da falta de faculdades/universidades nas regiões remotas onde prestávamos serviços ao BB. Talvez ele não saiba, que não podíamos adquirir moradias em razão das constantes remoções, onde éramos obrigados a pagar aluguéis, que muitas vezes consumiam mais de 30% de nossa renda.
Talvez o Juarez não saiba, que em caso de adoecimento de familiares, muitas vezes éramos obrigados a remover nossos familiares para grandes centros, devido aos escassos e as vezes nenhum recurso médico na localidade.
Talvez o Juarez não saiba que os aposentados pós/97 foram massacrados em seus salários ainda na ativa, com congelamento e abonos salariais por vários anos, enquanto os pré/97 recebiam a inflação plena (a inflação na época era galopante).
Talvez ele não saiba que um colega que se aposentou antes de 1995 no mesmo cargo que outro que se aposentou depois de 1997, recebe de complemento de aposentadoria mais do que o dobro.
Caro Juarez, continuo de acordo com você, quando afirma que precisamos melhorar nossos salários e que o E.Simples é a pior das soluções. Mas para os colegas que defendo acima, tem sido a única solução, que se agravou com o fim prematuro do BET.
Para melhorar salários, que é uma tarefa mais difícil de ser resolvida do que o E.S., deve-se pautar primeiro por corrigir as inconsistências existentes no mesmo plano, e para isso será necessária coragem e convencimento por parte dos eleitos.
O Empréstimo simples foi sim o nosso maior veneno, principalmente quando a PREVI, visando únicamente apresentar resultados, foi elevando o mesmo anualmente, de 30.000 para 50.000,00 depois para 70.000,00, 100.000,00 e agora R$ 130.000,00.
A Solução está no realinhamento IMEDIATO das aposentadorias corrigindo-se as enormes distorções no mesmo plano.
Um bom domingo.
Marco Antonio Orlando


Antonio Carvalho disse...

Prezado Jurandir:(12/07 - 4.58 hs)
Teremos dificuldades é verdade e faz parte de uma gestão compartilhada e com desigualdade de forças, mas, vale a pena lutar e é isto que já estamos fazendo, já no inicio do nosso mandato em que elegemos prioridades. O caminho é longo. Você tem razão. O maior desafio é acabar com o voto de minerva porque está previsto na lei 108/2001.

Antonio Carvalho disse...

Prezado Marcos: (13/07-4.58 hs)
Seus comentários são procedentes. Chega a passar um filme, quando Você trata das remoções para seguir carreiras. Eu mesmo trabalhei em 7 Estados e fiz 15 mudanças. As injustiças existentes em nosso plano é outra realidade, sobre a qual venho escrevendo há alguns anos, mostrando através de exemplos, registrados em planilhas. Existem no mínimo 5 planos diferentes dentro do plano 1, decorrentes de mudanças de leis, estatutos e regulamentos. Sonho um dia poder ver diminuídas estas injustiças. Lá atrás, quando existiam bilhões de reservas, antes da ilegal resolução 26/2008,a PREVI perdeu a oportunidade de fazer algumas correções. Em nossas propostas de campanha consta este desafio e vamos lutar neste sentido, no momento em que forem registradas reservas para revisão do plano. Será uma tarefa difícil. Este é um sonho que devemos sonhar juntos. Concordo que elevação de dívidas não é solução. Lamentavelmente são milhares de colegas nesta situação, agravada com a suspensão do BET antes do prazo previsto e retomada das contribuições. Conforme já divulguei, no inicio de junho sugerir à Diretoria e registrei no Conselho a necessidade de se alongar o prazo da dívida para reduzir o valor das prestações de quem desejasse, com carência de 6 meses. Esta discussão vem se arrastando na Diretoria e está previsto uma decisão para o dia 15antes de rodar a folha. Estou acompanhando. Cecilia e Decio tem lutado neste sentido e acredito na sensibilidade dos demais Diretores.

Anônimo disse...

Prezado Carvalho,
Independente de ainda não termos nossos problemas melhorados suas palavras sempre me acalmam.Obrigada.

Rosalina de Souza disse...

Prezado Conselheiro Carvalho,

O comprometimento médio dos participantes da Previ, é cada vez maior com dívidas Exemplo: Cooperforte,Crediscoop,FHE-Poupex,CDC do Banco do Brasil e até uma Financeira a Alfa.

Portanto, há mercado para o crescimento do crédito, enquanto os aposentados e as Pensionistas do PB-1, não tem mais espaço na renda mensal.

Por conta desse cenário, a Diretoria Executiva e o Conselho Deliberativo,precisa justamente não só de juros mais baixos como também de prazos mais longos, fatores que proporcionam a diminuição do comprometimento da renda mensal com pagamento de dívidas através da consolidação de linhas de crédito curtas e caras em uma única prestação mensal reduzida que resolveria esse problema definitivamente, e passaria de programa de chapas a eleição a um programa serio para equacionar e por fim a esta discussão sobre o Empréstimo Simples.

As características de prazo longo e taxas mais baixas são historicamente as mesmas do crédito imobiliário, que ainda representa participação ínfima na carteira da Previ, demonstrando a necessidade de desenvolvimento de politicas serias de educação financeira e não apenas essa cartilha falha hoje existente.

Cabe a Previ e seus atuais Gestores buscar o crédito com controle em consonância com a lei dos 30%, bem como proibir os abusos cometidos até o dia de hoje.

Nós participantes falhamos muito, na contratação destas linhas de credito, também somos responsáveis pelo desastre financeiro e com reflexo na saúde e no psicológico porque dividas não é um bom negocio e a frustração é tamanha que muitas vezes pensamos em por fim na própria vida de tanto esgotamento.

Esta luta é de todos nós, acabar não é o termo correto, mas diminuir esse sofrimento porque passa uma parcela dos nossos colegas aposentados e pensionistas do PB-1, Parabéns Carvalho é essa a melhor resposta aos nossos reclamos, cobrar no sentido que nossos Representantes Eleitos e Indicados pelo Patrocinador seja nada mais nada menos que HUMANOS.

Atenciosamente

Rosalina de Souza
Pensionista

Anônimo disse...

Carvalho, só cego não vê (mas sente) que a única saída para nós, ou para a grande maioria dos aposentados e pensionistas da Previ, é a recuperação de nossos vencimentos. Por isso deixem de batalhar por mais endividamentos, mais corda para se enforcar, e passem a procurar uma forma de recuperar nossos salários. Deixem os paliativos de lado, pois assim só estão conseguindo estender o sofrimento e agonia de muitos. O foco tem que ser o de recuperação dos nossos benefícios, caso contrário vocês vão acabar o mandato, que nós lhe demos, e vão nos prestar contas com desculpas esfarrapadas. Votei com a chapa 3 e confio nos seus integrantes, mas acho, como antes, que estão no caminho errado. É como se apostássemos na morte próxima para não pagarmos nossas dívidas, e assim quanto mais dever, melhor.

Anônimo disse...

Caro Colega Carvalho,

Nestes últimos dias a diretoria da Previ apresentou estudos para o realinhamento do Produto ES.

Na ultima reunião do CD foi apresentado material para esse novo realinhamento, agora segundo consta houve a abertura de um canal para avanço no sentido de mudança.

Houve empenho por parte da chapa 3 para esta reviravolta, já que a primeira proposta foi rejeitada por pelo menos 2 membros da Diretoria.

Você que é um homem vivido, faz parte de uma das maiores associações deste pais a Anabb, poderia nos dizer se houve recuo da diretoria ou foi mesmo o banco quem resolveu ceder um pouco para termos um acordo em troca de algum beneficio no futuro, por exemplo os bônus para a diretoria da Previ ou o Teto de benefício.

Ou a construção desse novo realinhamento é por questões de aceitação entre as outras forças existente nesse processo.

E por fim, o Nobre Colega Acredita em novos adiamentos ou a data fatal para esse tema é mesmo 15/07 portanto amanha.

Salvador Fleury Curado Lobo

Aposentado

Antonio Carvalho disse...

Prezada Rosalina:
Decisões de empréstimos, pelo regulamento é de competência da Diretoria Executiva, a partir de proposta da Diretoria de Seguridade. Ao Conselheiro, se desejar, cabe apresentar sugestões. É evidente que a adoção de política de crédito com juros baixo e prazo longo é o ideal. Porém, a PREVI é obrigada a cobrar, no mínimo, juros atuariais, ou seja, 5% de juros a.a. mais INPC, atualmente em torno de 6% a.a.
A PREVI concede empréstimos tomando por base a margem consignável. Acredito que não tem como controlar os endividamentos em outras Instituições, que quando somado, o total, certamente, muitos colegas ultrapassam os 30% limitados por lei. É fato que milhares de colegas assumiram dívidas maiores que a capacidade de pagar e foram afetados neste ano de 2014, em virtude de extinção do BET por antecipação e retomada das contribuições. Conforme já divulguei, no inicio de junho, apresentei sugestão para alongamento do prazo e carência de 6 meses para retomada da cobrança do empréstimo simples, considerando as angústias de muitos colegas, objetivando amenizar a situação financeira do momento. Nossos Colegas Diretores tem lutando neste sentido e acredito que na reunião de amanhã, 15/07 haverá decisão favorável.
Concordo com o anônimo (14/07 - 7.54 hs) que aumentar endividamento não é solução, podendo até aumentar o problema.
Recuperar benefícios é de fato o ideal. Mas não é tão simples. Há de se cumprir toda uma legislação e precisa ter reservas técnicas para elevar despesas. Não há como corrigir distorções e injustiças praticadas em 2 décadas por conta de mudança em estatutos, leis e regulamentos, num toque de mágica. A PREVI perdeu oportunidade de fazer algumas correções mais justas no período de 2005 a 2007 quando existiam reservas de bilhões. Em campanha, publicamos que iríamos lutar em defesa dos participantes, em várias frentes. Estamos fazendo e vamos continuar fazendo ao longo dos 4 anos de mandato. As reservas hoje estão abaixo dos 25% de contingência exigido por lei, para uso do excedente na melhoria de benefícios. Temos ainda o entrave da resolução 26/2008 que permite a PREVI repassar parte das reservas ao Banco. Continuamos lutando também nesta frente. Sonhamos com um futuro com reservas elevadas e aí, sim, iniciarmos uma luta para tentarmos reduzir as injustiças. A tarefa será árdua, mas, vale a pena tentarmos.
Abraço,
Carvalho.

Antonio Carvalho disse...

Caro Fleury:
Por não integrar a Diretoria, desconheço detalhes sobre negociações e decisões de propostas, cuja aprovação deve ser por maioria dos Diretores.
Sei do empenho dos eleitos da chapa 3 na busca de alternativas para amenizar a situação financeira de milhares de colegas.
Acredito na sensibilidade dos Diretores e que na reunião de amanhã, dia 15 de julho será tomada uma decisão favorável aos participantes, quanto ao empréstimo simples.
Abraço,
Carvalho

VALDEVINO disse...

Sr. Antônio Carvalho,
Parabéns pela sua atuante participação para melhoria do ES publicada hoje.
NO ENTANTO, as alterações no ES não beneficiou os participantes que, entre a última renovação do ES e agora, mudaram de faixa etária. Então vejamos, como é o meu caso:
Na última renovação, em 2013, tinha 62 anos - prazo 108 meses - limite 130 mil.

HOJE: tenho 63 anos e, com a decisão da Previ, o prazo para esta faixa etária é mantida em 108 meses, portanto, mesmo prazo que tinha antes, sem nenhuma melhoria vlr. prestação mensal.
Quanto ao aumento limite (130 para 145.000, o saldo devedor atual aproxima do novo valor, considerando a inadimplencia prestações primeiro semestre de 14.
CONCLUSÃO: se opto pela nova forma vou aumentar minha prestação mensal e a diferença entre a quitação sd devedor e o crédito novo não ultrapassa a 7.000,00.
PEÇO, em nome dos colegas na mesma situação, que o senhor, até 22.07, talvez consina aumentar o prazo dessa faixa etária, pelo menos de 108 para 120 meses, para que essa turma de idade não fique sem benefícios.
meus agradecimentos
Valdevino

Anônimo disse...

Carvalho por favor foi simplesmente ridícula a revisão do ES, só adiantaram o que iriam fazer em novembro, isso não ajuda os mais desesperados que é a maioria. Espero a sua atenção, pelos menos para o começo do pagamento das prestações para daqui a 6 meses.Isso aliviaria com certeza.Solicite por favor.