quarta-feira, 27 de agosto de 2014

FUNDOS DE PENSÃO - MUDANÇA DE REGRAS



“O nosso sistema clama por novas regras de precificação de ativos e passivos e de solvência dos planos”, disse ontem o Presidente da Abrapp - Associação Brasileira das Entidades Fechada de Previdência Complementar, ao abrir no Rio de Janeiro o seminário O Desafio da Gestão dos Investimentos. Defendeu que seria melhor que as novas regras fossem aprovadas na reunião do CNPC – Conselho Nacional de Previdência Complementar, prevista para o dia 30/09/2014.
O Chefe de Assessoria de Relações Internacionais da SPPC – Secretaria de Políticas de Previdência Complementar destacou a importância da certificação de dirigentes de Fundos de Pensão.
Foi discutido, também, o Cenário Econômico Nacional e Internacional, modelo de gestão de investimento e responsabilidade dos dirigentes e sobre os desafios dos investimentos no exterior.
Com relação às novas regras ainda não sabemos os impactos na PREVI, que historicamente é muito conservadora, apesar de ter aplicações concentradas em renda variável.  A PREVI deve se adequar após a aprovação pelo Órgão Competente.
Sobre a certificação dos Dirigentes a Resolução 4.275, de 31.10.2013 determina que a Diretoria Executiva e a maioria dos membros do Conselho Deliberativo, membros dos Comitês e os funcionários responsáveis pela aplicação de recursos sejam certificados por entidade de reconhecida capacidade técnica, até dia 31.12.2014.
O Conselheiro Medeiros participou do evento e certamente irá explorar este assunto em seu blog.
Como Conselheiro, acompanharei este e outros assuntos de interesse da PREVI e dos seus participantes.
Abraço,
Antonio J. CARVALHO

38 comentários:

Oracides Garbini disse...

Bem que há necessidade de adaptação aos novos tempos e ao estágio atual de ECONOMIA, não há dúvida. Não podemos, por outro lado, permitir que órgãos externos ditem tantas exigências que acabem por engessar a Direção da PREVI.

Rosalina de Souza disse...

Prezado Colega e Conselheiro Carvalho.

A Primeira regra que deveria ser mudada na Governança da Previ é a Transparência dos atos como por exemplo:

a) Quem autorizou a Previ fazer consignações acima dos 30% que ela mesma aplica em empréstimo simples aos seus mutuários, teria vantagens para os antigos e atuais diretores e conselheiros em continuar com essa pratica.

b) Porque a Previ não faz um leilão da sua folha de pagamentos, porque sempre nos contratos o BB continua com exclusividade se não tem beneficio adicional para os aposentados e pensionistas dos PB-1 e do Previ Futuro.

c) A Previ informa que apenas 3.000 mil colegas ficaram de fora da renovação do ES,eu particularmente não acredito nestes números,devido que muitos renovaram seus empréstimos, mas recebendo de troco da Previ entre 1.000,00 e 3.000,00 que faz com que o numero cresça para 18.000 mil a 24.000 colegas nesta situação,porque o conselho que é o órgão máximo dentro do sistema da Previ não faz nada para resolver de vez esta situação, com propostas concretas, vão esperar as eleições para saber quem comandará o pais nos próximos anos, para então tomar qualquer decisão, e dependendo do resultado não tomar nenhuma decisão.

d) Esperar bolsa reagir, esperar a Previ fechar o balanco de 2014 em março de 2015, para então termos um panorâmico da situação é complicado pela situação muito difícil de muitos colegas, enquanto isso a área de comunicação da Previ esta apresentando resultados de concursos, gasta um considerado valor com educação financeira, quando a Previ faltou nesta aula, quando aprovou a MEGA SENA para uns poucos, tudo com concordância da mais alta patente da Previ, seu Conselho Deliberativo,chancelado por seu Conselho Fiscal, que não fiscaliza nada.

A Conclusão que chegamos é que os fundos de pensão, estão brincando com nosso dinheiro, arriscando uma boa parte na especulação,ganhando extras em benefício próprio e de concreto mesmo só promessas e mais promessas de um futuro melhor.

Estão brincando com fogo amigo, que pode revoltar e revirar pois a unica certeza que temos é que o dinheiro não paga as contas básicas, a Previ já não compara seus pagamentos com os do INSS porque sabe que a cada ano paga menos,esse superavit só existe em função do nosso recebimento estar a cada ano ficando menor, só cego que não vê,compare o contra cheque de 10 anos atrás e o de hoje e faça as contas e terá perdas de mais de 7 salários mínimos.

Esta na hora de resolver os problemas, empurrar com a barriga, vai aumentar a pressão por resultados e eficiência e o minimo que se espera da chapa 3, eleitos para a mudança, confiados por pessoas do mais diversos segmentos da Previ,não pode ser um FERNANDO COLLOR que entrou para caçar os marajás e deposto por força popular, as próximas eleições esta bem ai, e é dependendo dos atos de vocês que teremos de verdade novos rumos com DIAS BEM MELHORES.

Atenciosamente

Rosalina de Souza
Pensionista

Anônimo disse...

Senhores Carvalho, Ari, Medeiros e
Senhores Diretores da PREVI:

Sugestão em face das postagens recentes no Blog do Ari Zanella:

“Porém, sei que a proposta do Carvalho, novamente muito justa, é isentar somente aqueles que já contribuíram com os 360 meses, quer na ativa ou como aposentado.” (Ari)
"d) a suspensão de contribuições observando-se a relação 360/360 (aqui sem ligação com o "excesso de superávit") teria como base a analogia à previdência oficial; ou seja, encerrado o período contributivo previsto, inicia-se o dos benefícios".
(Luiz Faraco - Florianópolis-SC)

Salvo melhor juízo, acrescento:
O fato que encerra a exigibilidade das Contribuições DEVE/deveria ser a Aposentadoria ou opção equivalente, NÃO NECESSARIAMENTE exigível que se verifiquem 360 meses de contribuição.
A Fórmula do cálculo do CA prevê a proporcionalidade a partir de 15 anos de contribuição: 180/360... 20 anos: 240/360... 30 anos 360/360.
É inadmissível que o BB a PREVI, a QUALQUER TEMPO tenham distorcido uma questão PURAMENTE ARITMÉTICA... implementando contribuições da ordem de 480/360... (40 anos???)
SE o divisor demonstrado nas Simulações do CA no site da PREVI, informando ...MMM/360, o Prazo MÁXIMO é 360 meses há exceção dos que ficam 32 anos... a fórmula seria 384/360? Caso a pensar.
INACREDITÁVEL, IMORAL, ILEGITIMO!!!
Pergunto: após a 361ª. Contribuição o BB também Contribui???
O Patrocinador paga a Cota Patronal da Contribuição a que estão sujeitos os Aposentados? Se não têm mais vínculo com o BB, este não tem porque pagar.
SE NÂO o faz, saibam que essa arrecadação AUMENTOU a formação do Superávit do qual o BB se apropriou em 1997...2002..2008...2012...2013... ufa!
É muito ponto sem nó, começou no Governo Militar, Sarney, Collor... (Delfim&Cia, Zélia), FHC-PSDB, PT, que assaltaram o INSS, PREVI(e outros).
Questões insolúveis. Porém que se resolvam pelo menos os pequenos descasos dos pre 67... Pensões, PP, Isenção da Contribuição 361ª. e seguintes.
Isentar a 361ª. e seguintes? Não!
Há que se Isentar no ato da Aposentadoria.
Quem fica 32 anos no BB engordando o CA, deve continuar contribuindo, pois quem saiu do BB com 20 anos de contribuição recebe Benefícios da ordem de 240/360.
Cobrar Contribuições de Aposentados, que não terão qualquer benefício futuro, significa ENRIQUECIMENTO ILÍCITO do BB, PREVI e demais Participantes que CONTRIBUIRÃO menos que 360 meses, com o MESMO DIREITO a se Aposentar na fórmula 360/360 !
É e sempre foi uma gigantesca ILEGALIDADE qualquer alteração de Regulamento que tragam prejuízos a qualquer Grupo de Associados... PRÉ-67...Aposentados, PÓS-24121997 do PB1 !
A Súmula 288 do TST sacramentou: qualquer alteração das Cláusulas dos Regulamentos dos Fundos de Previdência Privada só tem validade SE MAIS FAVORÁVEIS aos Participantes !
Participantes são somente os Associados/Empregados, NUNCA o Patrocinador.
Não há porque se duvidar da INConstitucionalidade do Resolução CGPC-26/2008.
A Isenção de Contribuições a partir da 361ª. pode ser Decisão Administrativa do CD e Conselheiros?.
Isso geraria direito a devolução das Contribuições?
Penso que não, a suspensão poderia ser homologada pelo CD e Conselheiros com base nos parâmetros de utilização do Suverávit.
Futura Alteração de Regulamento ou ato que for necessário ISENTARIA definitivamente os Aposentados de qualquer Contribuição. É o mais coerente.

Bom dia.

Marcelino Maus
F6752890

Anônimo disse...

Prof.Ari, Carvalho, Dr.Medeiros,

A situação realmente está difícil.Nunca pensei que ficaria dessa forma contando com a poderosa Previ.Mas o que está me segurando é contar com esse trio que me dá esperança, informações que eu jamais teria e até descontração para fugir um pouco das desgraças.Sem vocês seria muito pior. Agradeço muito pelo grande bem que me fazem.

Goulart disse...

Caro colega aposentado Carvalho, competente e batalhador Conselheiro Deliberativo na Previ, espero, em meu nome e de muitas pensionistas, que haja alguma novidade, principalmente quanto a dilatação do ES das prestações e aumento de limite. Temos tambem uma agravante que o INSS não empresta consignado a aposentado que recebe na Previ com convenio com o INSS. Poderiam fazer concessão, para aliviar um pouco as finanças. Obrigado e que a Reunião do CD seja bastante produtiva. Tudo de bom, aposentado de Cambé-PR, pertinho de Londrina-PR.

Anônimo disse...

Por favor peço mais uma vez, plano de melhoria para o futuro é mais do que válido, mas agora, hoje o desespero me faz pedir um empréstimo de emergência, ou mesmo o aumento do limite, prazo, sei lá, do ES existente. Sei que não é o melhor p/ nós MAS o desespero nesse momento é bem maior que a razão. Obrigada.

Anônimo disse...

Colega Carvalho,
Quanto à suspensão, talvez com devolução das contribuições, há que se levar em conta, não a formula 360/360 meses, mas sim o momento da aposentadoria. Todos devem ser beneficiados se essa medida for implementada. Lembremo-nos que um grande grupo já foi beneficiado com o Renda Certa, que consistiu na devolução das parcelas a partir da 361ª parcela
conforme artigo abaixo, do REgulamento de 2007

"Art. 88 – Para todos os participantes aposentados ou que vierem a se aposentar por este Plano de Benefícios, será calculada renda certa com base no resultado do cálculo realizado sob o seguinte parâmetro: somatório das contribuições . Já pensou pessoais e patronais excedente à 360ª vertida até o momento da aposentadoria, ou até 31.12.2006, para participantes que se aposentaram ou venham a se aposentar após esta data ".

Note bem, colega Carvalho, que os beneficiados receberam de volta, corrigidas, as contribuições vertidas por ele e pelo Patrocinador (3 por 1 ). Já pensou? Repito : 3 X 1.
Agora seria justo usar o mesmo critério.
Batista - 1939310-5

Rosalina de Souza disse...

Prezado Colega e Conselheiro Carvalho.

SIMPLES, CLARO E OBJETIVO.

Nesta reunião do CD a Diretoria de Seguridade já elaborou os estudos,em cima das suas propostas de mudanças no prazo de pagamento em relação ao Empréstimo Simples.

Atenciosamente

Rosalina de Souza
Pensionista

Anônimo disse...

CASSI - COLEGAS, EM 28.08.2014 O DIRETOR DA CASSI PROMOVEU UMA PALESTRA, CUJO TEOR ESTAH DETALHADO NO BLOG DO Adaí Rosembak. VEJAM PORTANTO QUE OS BOATOS ANGUSTIANTES SOBRE A CASSI NAO SAO VERDADEIROS E SAO EXAGERADOS.
A CASSI, COMO TODOS OS OUTROS PLANOS DE SAUDE ESTA PASSANDO POR DESIQUILIBRIO FINANCEIRO MAS QUE TEM SIM SOLUCOES. VEJAM ENTAO QUE OS BOATEIROS DE PLANTAO QUE ADORAM BOTAR LENHA NA FOGUEIRA OUVIRAM UMA COISA E CONTARAM OUTRA. FIQUEMOS POIS TRANQUILOS QUANTO A CASSI. NUM MOMENTO EM QUE ESTAMOS LUTANDO PELA NOSSA SOBREVIVENCIA COM A INESCRUPULOSA DIRETORIA DA PREVI AINDA SOMOS "PRESENTEADOS" COM MAIS BOATOS ANGUSTIANTES SOBRE A CASSI. VEJAM O BLOG DO Adaí Rosembak E TIREMOS PELO MENOS ESSE PESO DE NOSSAS COSTAS. ABRACOS A TODOS.

Antonio Carvalho disse...


Rosalina - 28-08 - 4.16 hs e 30-08 - 6.12 hs:
- A PREVI explica que não concede empréstimos acima da margem de 30%. Disse que colegas tomam empréstimo considerando o benefício do INSS e depois retiram este benefício da folha da PREVI ou então aparecem outras consignações depois do empréstimos e acavam ficando com margem negativa.
- Concordo que deve haver transparência. Estamos lutando para melhoria na comunicação da PREVI junto aos participantes. Registro que deve ser preservada informação estratégicas e de negócios, próprio de todas as corporações. Porém assuntos de interesse dos participantes devem ser divulgados.
- Com relação a FOPAG podemos tratar oportunamente, considerando todas as variáveis nas relações da PREVI com o BB. Não deve ser tratado de forma isolada.
- A informação da quantidade dos que não conseguiram renovar os empréstimo são oriundas e de responsabilidade da Diretoria de Seguridade. Elevação do endividamento não é solução.
- Para propor e discutir redução/isenção de contribuição e melhoria de benefícios é necessário a existência de reservas especiais (superávit maior que 25% da reserva matemática), o que somente pode ser verificado no fechamento do balanço em 31 de dezembro. No momento ainda não existem reservas. A bolsa está reagindo mas deve ser considerada de forma isolada. É apenas um indicativo de melhor rentabilidade. Outras variáveis devem ser consideradas como elevação da inflação, avaliação de ativos a valor de mercado, etc.
- Com relação a benefícios reduzidos há algum tempo faço levantamentos e compartilho com os colegas nas redes sociais. Isto não se resolve a toque de caixa. São situações ocorridas ao longo de décadas, decorrentes de mudanças na legislação, estatuto e regulamentos. Nossa gestão que será de 4 anos será pautada nos temas divulgados em nosso programa de campanha. Em nenhum momento afirmamos que vamos resolver todos os problemas. Conforme divulgamos em campanha vamos lutar para... e é isto que estamos fazendo e vamos continuar nesta linha de lutas com firmeza, persistência e determinação. Precisamos da ajuda de todos.
- Finalmente, com relação ao empréstimo simples a Diretoria de Seguridade fez estudo de viabilidade, considerando as sugestões recebidas, cujo resultado será divulgado no site da PREVI.
- Marcelino: 28-08 - 6.48 hs
- Batista: 29-08 - 8.10 hs.
Neste momento estamos no campo das ideias preliminares. Este assunto de suspensão de contribuições por Vocês comentados serão discutidos na época, considerando-se todas as variáveis possíveis. Sugestões são sempre bem vindas.
Abraço a todos,
Carvalho.

Anônimo disse...

CARVALHO,
Com relação as colocações da Previ de que a mesma não concede empréstimos além de 30% da MC.
A lei é clara e fala que o comprometimento dos consignados terá que enquadrar-se em até no máximo 30% dos proventos brutos, deduzidos: contribuições, imposto de renda e seguros. É claro que a mesma tem que observar diariamente a MC para que haja o respeito a esta limitação, até porque o devedor poderá tirar empréstimos em outros órgãos. Se o devedor está errado, duplamente errado estão os credores, que não observam os ditames da lei. Tomara que a partir de agora nosso país dê um pouco mais de respeito ao consumidor e idoso, porque novos ares soprarão a partir de janeiro/2015.
Interessante que tudo que voce toca com a PREVI, ela nunca erra, ela está sempre certa. Não cumpre o ESTATUTO DE 1967, acintosamente, desrespeitando a lei, pois a legislação é clara quando diz que o funcionário do BB está atrelado ao estatuto da data de sua admissão, e sempre os posteriores dilapidam alguma coisa do anterior, é só olhar os processos judiciais que tramitam na justiça trabalhista. Não respeita o teto estipulado pela PREVIC, paga bônus de R$500 mil, a meia dúzia, paga renda certa a alguns da casta e por aí afora vai. Apregoa aos 7 ventos que age corretamente, mas somente quando convém à dupla BB e PREVI. – MAS ISTO VAI ACABAR!!!

Anônimo disse...

Marcelino,

Voce motivou-me a questionar a Previ:

Senhor(a) CELSO xx

A PREVI confirma o recebimento da mensagem abaixo.
Aguarde nosso retorno em breve.

Gerência de Atendimento
PREVI

Esta mensagem é automática e seu retorno não é monitorado.

__________________________________________________________

Data: 1/9/2014
Tipo: Solicitação

Mensagem: FAVOR PROVIDENCIAR, COM A MÁXIMA URGÊNCIA.

O BANCO DO BRASIL, CONTINUA CONTRIBUINDO PARA A PREVI, COM AS COTAS PATRONAIS, PROPORCIONAIS, PARA TODOS OS APOSENTADOS DA PREVI?
1 - CASO A RESPOSTA SEJA AFIRMATIVA, FAVOR REMETER-ME, PARA O MEU ENDEREÇO CADASTRADO, EM CORRESPONDÊNCIA COM PAPEL TIMBRADO E ASSINADA, DISCRIMINANDO MENSALMENTE, TODOS VALORES DE TODAS AS CONTRIBUIÇÕES DO PATROCINADOR, REFERENTE AO PERÍODO ABRANGIDO PELA MINHA JUBILAÇÃO, DE 03/11/1998 ATÉ 31/08/2014, ALCANÇADAS PELA MINHA MATRÍCULA, JUNTO A ESTA PREVI.
2 - CASO A RESPOSTA SEJA NEGATIVA, FAVOR REMETER-ME PARA MEU ENDEREÇO CADASTRADO, EM CORRESPONDÊNCIA COM PAPEL TIMBRADO E ASSINADA, O MOTIVO DO IMPEDIMENTO, QUE MOTIVOU A FALTA DOS REFERIDOS RECOLHIMENTOS, SE FOR O CASO.
Cordialmente,

CELSO BERNARDES
FORMIGA-MG

Anônimo disse...

CARO CARVALHO, QUANTO A SUA POSTAGEM DE HOJE, AS 09:53, O SR. DISSE: "Finalmente, com relação ao empréstimo simples a Diretoria de Seguridade fez estudo de viabilidade, considerando as sugestões recebidas, cujo resultado será divulgado no site da PREVI.". ISSO QUER DIZER QUE PODEREMOS TER ALGUMA ESPERANCA DE ALTERACAO PARA MELHOR NO E.S.?
OU SERAH QUE O TAL ESTUDO RESULTARAH NAS VELHAS DESCULPAS DE SEMPRE DE "IMPOSSIBILIDADE POR RAZOES TECNICAS", SEMPRE APRESENTADAS QUANDO SE TRATA DE ALGUM BENEFICIO PARA OS APOSENTADOS E PENSIONISTAS?

Anônimo disse...

Colega Diretor Carvalho, eu votei na chapa 3 e não quero me arrepender de ter votado. Mas, acho que o colega das 13:39 está correto pois, quando respondes a Rosalina e a outros colegas tu falas que depende de como a bolsa vai ficar em 31.12.2014, que será sabido em março de 2015, mas o colega esqueçe que quando foi para retornar as contribuições e cancelar o vergonhoso e escandaloso roubo do BET, já três meses ou dois já estavam anunciando. No meu modo de ver existe de fato por parte da PREVI a maldade em nos prejudicar, e vocês eleitos já começaram a defender o indefensável. Assim não da diretor Carvalho. A história de tirar a folha do INSS é fria, em relação as cooperativas, eu consigo pagar graças a Deus e me sobra líquido, mas a história não é bem assim. Depois vem com aulas de educação financeira para velhos. A Previ está se tornando uma piada. Abraços, Rogério Luiz Carvalho. Pelotas RS.

Rosalina de Souza disse...

Prezado Colega Carvalho,

Replica sobre o endividamento e a contradição da Previ.

Dou meu contra cheque como experiência,para afirmar que a Previ mente em seu discurso de que a culpa é dos endividados do PB-1.

Quando retirei meu INSS da folha de pagamentos da Previ, era mês de maio/2010, fiquei com margem negativa de 405,00.

Demorei 2 anos sem poder renovar o ES, pois a minha margem de 30% usada pela Previ, para a concessão do ES,é sim dentro do limite de 30%,compostas pelas verbas CP-75 Imposto de Renda Fonte, C820 Cassi Contrato Pessoal, C769 Cassi Co-Participação Limitada e C767 Cassi Participações, diminuídas estas verbas o somatório é o valor da Margem Consignável 30% para o ES.

Todas as demais verbas descontadas são ilegais,do ponto de vista da lei, que permite o máximo de descontos limitados a 30%.

O que acontece é que a Previ alega estar cumprindo um compromisso voluntário, autorizado por nós endividados e que cabe tão somente a previ o repasse dos valores.

Claro que a culpa é nossa, e nunca negamos estar devendo além da capacidade financeira, mas a Previ tem o dever fiduciário sobre os nossos benefícios, é como se a Previ fosse a Fiel depositária das nossas aposentadorias e pensões e jamais ela poderia firmar qualquer convênio de repasse além do que é permitido por lei.

A tese nunca foi defendida, porque sempre houve interesses escusos,quanto a cooperforte paga a Previ para embutir seus anúncios sobre endividamentos,porque a Previ não admite que errou esses anos todos, poderia copiar o INSS que jamais aceita descontar um centavo acima do permitido em lei,sem beneficiar qualquer que seja o mutuário ou o agente financeiro.

Não vai demorar Colega Carvalho e a Previ vai receber da justiça uma punição severa, pois esta comprovado que a nossa folha de pagamento é AGIOTAGEM PURA,como uma pessoa pode ganhar X e não receber nada, porque seu provento foi totalmente descontado com prestações, e o resto que sobra é aprovisionado no Banco do Brasil.

Não tenho nada a esconder, estou liquidando meus débitos,fiz acordos que me aliviou a situação de penúria e estou pagando a todos,mas o caminho de volta é lento e se houvesse boa vontade da Previ, muitos de nós voltaríamos a ter melhores condições de terminar a vida com dignidade.

Hoje já não falo apenas por mim, que controlei a duras penas o endividamento, estou na fase final e mais difícil, quando você corta tudo,falta dinheiro para tudo, mas a certeza de terminar com as dividas é tão grande que continuamos de pé, um sopro nos derruba, mas a fé é inabalável.

Meu contra cheque é a minha maior prova,erramos sim, mas nunca fomos caloteiros, gostaríamos em vida de um remédio em dose lenta, "reescalonamento" "reestruturação" "composição" ou outro nome qualquer, que posse um sorriso de volta em nossos rostos tão sofrido, pela vida, pelos problemas familiares e pela falta de Dinheiro que nossos erros ao longo da vida nos fez enxergar no final da vida, quando ele é tão necessário.

Atenciosamente

Rosalina de Souza
Pensionista
Matricula 18.161.320-4

Rosalina de Souza disse...

Prezado Colega Carvalho,

Segue logo abaixo reprodução de parte da resposta que reproduziu ao meu comentário:


- Finalmente, com relação ao empréstimo simples a Diretoria de Seguridade fez estudo de viabilidade, considerando as sugestões recebidas, cujo resultado será divulgado no site da PREVI.

a) A Previ quer mostrar aos participantes, as simulações antes de votar qualquer proposta de melhorias sobre o empréstimo simples.

b) A Previ demonstrara através de estudos que não é mais possível melhorar o empréstimo simples.

Não entendi muito bem a sua colocação, ficou claro que qualquer mudança sobre o empréstimo simples,tem que ser definido primeiro pela Previ, e através de nota oficial, informar qualquer melhoria das novas condições do ES.

Desculpe se não foram estas as mudanças,das das duas alternativas acima, uma é a verdadeira.

Atenciosamente

Rosalina de Souza
Pensionista

Anônimo disse...

POR FAVOR, PUBLIQUE ESTA POSTAGEM POIS OUTRAS DE IGUAL TEOR FORAM "CENSURADAS". OBRIGADO.
CARVALHO, PRECISAMOS DE NOTICIAS PONTUAIS QUE NOS SALVEM E AJUDEM "AGORA". NAO ESTAMOS NO MOMENTO DE LUTA PELA SOBREVIVENCIA QUERENDO SABER SOBRE 60000 DA BOLSA, SOBRE PRESIDENTE DO BB, SOBRE "QUEM SABE EM JANEIRO DE 2015" AS COISAS VAO MELHORAR. POR FAVOR, DEIXEM TODOS OS PROJETOS QUE VISAM O FUTURO UM POUCO PARADOS SOBRE A MESA E FACAM ALGUMA COISA JA, HOJE, URGENTE. EH ISSO QUE ESPERAMOS E PEDIMOS AO SENHOR NO MOMENTO. POR FAVOR, JUNTE-SE A CECILIA E VAH BATER NA PORTA DO GABINETE DO PRESIDENTE DA PREVI E FALE COM ELE SOBRE A NOSSA SITUACAO HOJE. PELO ANDAR DO ANDOR EU NAO SEI SE VEREI AINDA O 13o SALARIO EM NOVEMBRO. ESTOU PRECISANDO HOJE.

Valdevino disse...

Prezado Conselheiro Carvalho,
Entende-se pela sua colocação quanto ao estudo viabilidade do ES que a Previ analisou sua sugestão, no entanto, não sabemos se houve decisão que possa nos beneficiar.
Peço, encarecidamente que, se for para a Previ colocar no site "Embora entendamos a situação enfrentada pelos nossos assistidos, a Previ, após minuciosa análise, não encontrou alternativas para melhoria do ES e nem para realinhamento/renegociação....etc", como é de praxe.
Sendo, assim, V. Sa. que participou da reunião poderia adiantar o resultado do estudo de viabilidade para que não fiquemos acessando o site Previ 50 x por dia para se ter uma noticia.
Agradecendo pela ajuda, fica aqui minha solicitação.
Abraços

Anônimo disse...

É preciso que a Previ divulgue logo essa lenga-lenga do ES ninguém pode ficar aqui parecendo um bando de otários inertes, esperando a morte chegar com os dentes abertos, vamos para cima deles... morrer só lutando!!!

Quando eles pagaram 500 milhas para cada um deles foram rápidos, gatilhos nervosos, rapidíssimos, que nem Jerônimo o HERÓI DO SERTÃO, agora fica um bando de terceira idade esperando noites após noite que algum blog ou o site da Previ publiquem alguma notícia de melhorias para todos no ES. Tem véio como eu de cacete; digo, bengala na mão, tateando no diacho do computador para espremer essa miséra, fuçando alguma coisa. Estamos lascados, Sr. Carvalho. Eu não passo de amanhã para mandar para os quintos do inferno o primeiro cobrador que chegar ao meu passeio. Até o tal do Felipão, mais conhecido como 7 a 1 gozou com a nossa cara, quer moleza, vais trabalhar no Banco do Brasil, disse assim pro repórter. Decerto, não logrou êxito nos diversos concursos que prestou para trabalhar no BB e ficou com raiva e olho gordo pra cima de nós.Surtiu efeito, viu? Na nossa terceira idade, já aposentados merecidamente, estamos comendo o pão que o diabo não quis amassar!!! Oh vida braba, essa nossa! Tá uma fartura danada: farta dinheiro, farta remédio, farta comida, farta até coragem de protestar.

Anônimo disse...

Anônimo Anônimo disse...

POSTAGEM I

TODOS PRECISAM SABER:

Postagem autorizada pelo Sr. João Rossi Neto, através de e-mail.

ADIANTAMENTO PROVISÓRIO
De: jrossineto1@uol.com.br
Enviada: Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014 16:31
Para: presi@previ.com.br
Assunto: ADIANTAMENTO PROVISÓRIO PARA ACERTO EM 2015 E SUSPENSÃO DAS CONTRIBUIÇÕES.
À ESPECIAL ATENÇÃO DOS PRESIDENTES DA PREVI E DO CONSELHO DELIBERATIVO.
Pouco interessa a denominação que se dá, como bônus, renda variável, remuneração extraordinária, etc., para pagar vantagens financeiras aos funcionários e dirigentes, a título de produtividade, ora feito pelo Conselho Deliberativo da PREVI para remunerar os Diretores Executivos, utilizando o deplorável e imoral Voto de Minerva.

Aí forçaram isonomia e equivalência para emparelhar remuneração de Diretores Estatutários do BB “S.A”, com a dos Diretores Executivos da PREVI, sociedade civil sem fins lucrativos, a primeira sob as regras do BACEN e CVM e a segunda sob a batuta da LC 108 e 109/2001 e regulada pelo CNPC-MPS e CMN.
Enfim, sem o menor escrúpulo e pudor ético, aplicaram para os DESIGUAIS incomunicáveis sob os aspectos jurídicos e contábeis, a estropiada analogia inexplicável, incabível e inaceitável do impossível princípio da igualdade para esse caso específico.
Essa interpretação tendenciosa, parcial, paternalista não tem o menor cabimento, pois aqui não cabe, em hipótese alguma, a flexibilização dos ditames da lei para favorecer Diretores de sociedade civil sem fins lucrativos que não têm nenhum tipo de conexão e ou vinculação com o patrocinador BB, uma S.A, de rito totalmente diferente. Demais disso, tais Diretores são muito bem pagos, porquanto auferem cerca de R$50.000,00 por mês de salário. Essa teoria da isonomia é tão imprópria que sem medo de errar, podemos invocar a conotação desse caso concreto, casuísta com o erro grotesco de chegar ao cúmulo de expor uma tela de Picasso com molduras paupérrimas, destoantes em relação à riqueza da obra que emoldura.
As melhorias nos nossos benefícios foram aprovadas na destinação da Reserva Especial em 24/11/10, no entanto, como o cenário econômico da PREVI piorou em 2013, a ponto de não cobrir a Reserva de Contingência de 25%, a Diretoria Executiva INTERROMPEU o uso dos superávits apartados no Fundo de Destinação, reduzindo os nossos proventos, de súbito, drasticamente, em 24,8%a – BET (20%) e contribuições (4,8%) – sabendo de antemão que um corte dessa envergadura, monumental, seria inadministrável e que, obviamente, iria nos colocar de joelhos e com os pires nas mãos, como efetivamente estamos.
Sabidamente desnecessário, adiável e comprovadamente injusto, desproporcional e precipitado, esse grave ato administrativo produziu o efeito de âncora de transatlântico nas nossas depauperadas finanças e nos arrastou para abaixo do fundo do poço, sem direito à luz solar, deixando a maioria dos associados em completo desespero pela penúria descontrolável e no clima de terra arrasada.

CELSO BERNARDES
FORMIGA-MG

Anônimo disse...

POSTAGEM II
CONTINUAÇÃO

TODOS PRECISAM SABER:

Postagem autorizada pelo Sr. João Rossi Neto, através de e-mail.
ADIANTAMENTO PROVISÓRIO


Em exame isento de revanchismo, de excesso de zelo e de cumprimento cego da Resolução 26/2008, esse corte de 24,8% deveria ser efetivado de forma gradual, como, por exemplo, reduziria apenas o BET para 10% e conservaria suspensa a contribuição. Após o fechamento o balanço de 2014 da PREVI, analisado o comportamento dos números, seriam feitos os ajustes cabíveis.
O superávit técnico de R$24.7 bilhões em 2013, em que pese a sua robustês bilionária, foi suficiene para cobrir 21%, o que não seria motivo causar pânico, isto porque o Fundo continua superavitário e sem risco à saúde financeira, tanto que os compromissos estão em dia e que a reduzida falta (4%) decorreu de fatores conjunturais plenamente passíveis de contemporização.
Essa atitude inconsequente e arbitrária do corte massacrou e penalizou sem piedade somente os associados, os quais, em última análise, são os mais inocentes nesse processo mal gerido. Esse tipo de coisa, seguramente não se coaduna com a missão dessa Caixa que, em tese, foi constituída para melhor a qualidade de vida de todos, sejam eles assistidos ou pensionistas.
O que não podemos tolerar é o uso de dois pesos e duas medidas. Se faltou dinheiro para os verdadeiros donos do Fundo de Pensão para exigir o corte dos 24,8% nos benefícios, por que o mesmo argumento não se aplica para os Diretores Executivos? Em momento de escassez não se deve beneficiar ninguém, uma vez que o volume dos gastos adicionais com o pagamento da remuneração variável, em maior ou menor escala, de qualquer sorte, vão impactar negativamente o resultado do exercício financeiro e as regalias e benesses não deverão ser pagas e sim, suspensas.
Ponderando que a BOVESPA reagiu de forma significativa, extrapolando os emblemáticos 60.000 pontos, performance capaz de produzir superávits acima da Reserva de Contingência, ou seja, em excesso, indicativo para nova destinação da Reserva Especial no final de 2014, seria de bom tom, para amenizar o sofrimento dos participantes e assistidos, conceder um ADIANTAMENTO PROVISÓRIO, REEMBOLSÁVEL de 10% sobre o total dos proventos, retroativo a 01/08/14, a vencer em 30/06/15, com as contribuições suspensas por igual período.
Encerrado o exercício de 2014 o CD e Diretoria Executiva da PREVI se reuniriam com as entidades representativas para fazer os ajustes necessários e elaborar proposta para ser submetida ao patrocinador BB visando outra destinação de superávits, claro que, para isso se materializar, o balanço deste exercício findante deverá satisfazer as exigências do artigo 20 da LC 109/2001.

A medida alvitrada poderá acalmar relativamente os ânimos, enquanto não se encontra a solução definitiva, desejada, e os associados poderão ter um Natal alegre e aguardar o Ano Novo com a expectativa de cumprimento do Realinhamento do Plano prometido no Termo de Compromisso pactuado em 24/11/10. Impende ressaltar que o Adiantamento provisório de 10% até 30/06/15 e a suspensão das contribuições são medidas de alçada do CD e Diretoria Executiva, não dependendo do aval da PREVIC.

CELSO BERNARDES
FORMIGA-MG

Barreto disse...

EL CLARIN (Buenos Aires) - 30.8.2014:


Fundos de pensão brasileiros estariam negociando com credores da Argentina


Marcela Pagano


Após as frustradas negociações dos bancos estrangeiros para comprar a dívida dos chamados fundos abutres, agora entraram em cena os fundos de pensão brasileiros. Mas por que eles poderiam adquirir essa dívida que deixou o governo argentino em um impasse com um juiz de Nova York e credores?



Segundo fontes do mercado financeiro, há três interessados que mostraram suas propostas aos grupos de finanças NML e Aurelius para adquirir os bônus que ambos têm, e que junto com os juros devidos – segundo a sentença do juiz de Nova York Thomas Griesa – chegam a US$ 1,6 bilhão.




A oferta teria sido apresentada pelos fundos do Banco do Brasil, Petrobras e BNDES.



Os fundos de pensão brasileiros teriam feito uma oferta para comprar o julgamento contra a Argentina algumas semanas atrás. A primeira proposta teria sido rejeitada, mas as negociações continuariam abertas. A informação também se propagou nos círculos empresários de São Paulo.




Os fundos brasileiros teriam oferecido 60 centavos por cada dólar de dívida. “Os abutres querem 80 centavos e as discussões estão abertas”, afirmam fontes privadas brasileiras.


Por que os brasileiros iriam querer ficar com a dívida da Argentina em mãos dos abutres?



“Porque eles têm uma grande quantidade de títulos soberanos argentinos e também investiram em ações de empresas locais. Se a Argentina continuar em default e o acordo que o mercado espera que surja antes do fim do ano não for alcançado, então esses ativos financeiros desabarão gerando grandes perdas para os fundos”, explica uma fonte que seguiu de perto as negociações dos holdouts.



Mantega


Na última quinta-feira, 28 de agosto, o ministro da Economia, Axel Kicillof, viajou de surpresa para São Paulo. Essa viagem não estava na agenda do ministro nem na do seu colega brasileiro, Guido Mantega.


Kicillof decidiu a viagem algumas horas antes do embarque e até alguns minutos antes de entrar no avião pedia total hermetismo aos seus colaboradores.


Essa mesma reserva se manteve também uma vez finalizada a reunião com Mantega, na capital paulista.


O pouco que foi divulgado pelas fontes oficiais é que a visita de Kicillof respondia à necessidade de iniciar acordos que melhorassem a delicada situação do setor automotivo. No entanto, ninguém pôde responder sobre a razão da urgência de uma viagem que estava fora da agenda.


Fontes do mercado financeiro disseram ao Clarín que o verdadeiro motivo da reunião entre os ministros foi analisar a possibilidade de um acordo para que as entidades financeiras brasileiras obtenham a dívida em mãos dos fundos abutres.

Barreto disse...

Carvalho, gostaria que confirmasse ou desmentisse o contido nesate artigo, cadso tenha conhecimento do que e sta por acontercer - papel poder da argentina

Anônimo disse...

Rosalina,
Boa noite

Sei de seu valor e de suas colocações, mas permita-me uma importantíssima reflexão que a meu ver estamos observando a pulga e nos esquecendo do cachorro: Acabei de inserir aqui em comentários com a devida autorização do autor, que certamente voce lerá:

ADIANTAMENTO PROVISÓRIO de nosso competentíssimo colega João Rossi Neto, a respeito de carta endereçada à Previ e ao CD.
Comungo com nosso colega a sua idéia em gênero, número e grau. Devemos de parar de mendigar à Previ esse tal de EMPRÉSTIMO SIMPLES, porque vai pra lá, vem prá cá e afundaremos mais na dívida. DEVEMOS SIM, REINVIDICAR O QUE NOS PERTENCE, ASSIM TAL COMO JOÃO ROSSI COLOCOU. Aí sim teremos dignidade para viver, andar na rua com altivez e com as dívidas pagas. Não adianta renovar empréstimo, encher o bolso de dinheiro e daí a pouco estarmos novamente encalacrados com a Previ, novamente em situação de mendicância, o que você, certamente concordará comigo.Temos de dar um basta neste tal de ES. Vamos renegociar as dívidas e largar prá lá esta miséria de sofrimento chamada empréstimo simples. A Previ nunca irá fazer algo de bom para nós, devemos acordar deste torpor. Enquanto existir Banco do Brasil do lado de lá, isto não irá acontecer, do jeito que as coisas aí estão. Sorte nossa, que:

ESTÁ SOPRANDO UM VENTO NORTE PARA O SUL. ANTES QUE TERMINE O ANO, MUITA COISA RUIM DEIXARÁ DE NOS ATORMENTAR. FELIZ 2015 QUE ESTÁ POR VIR.GUARDE MINHAS PALAVRAS.
A ESPERANÇA FAZ-NOS UM BEM DANADO!!! VAMOS EXPERIMENTÁ-LA???
Abs.
CELSO BERNARDES
FORMIGA-MG

Anônimo disse...

SR. CARVALHO, POR FAVOR PUBLIQUE ESTE MEU PEDIDO EM SEU BLOG. AGRADECO MUITO ANTECIPADAMENTE.
SRS. ELEITOS DA CHAPA 3, POR FAVOR, PECO DE MAOS JUNTAS QUE VOCES SE JUNTEM E OBTENHAM UMA REUNIAO EMERGENCIAL COM O PRESIDENTE E DEMAIS DIRETORES DA PREVI PARA DISCUTIREM HOJE, AGORA, NESTA SEMANA, O MAIS RAPIDO POSSIVEL, A SITUACAO DA MAIORIA DOS APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO FUNDO.
DESCULPEM, MAS NO MOMENTO NAO ESTAMOS INGTERESSADOS EM SABER SE NO FUTURO PODERAH HAVER ALGUMA MELHORA PARA NOS.
SABEM POR QUE? PORQUE ESTAMOS SEM DINHEIRO HOJE, AGORA, URGENTEMENTE, PARA SOBREVIVER NO PRESENTE. O FUTURO NAO ESTAH NOS INTERESSANDO AGORA POIS NAO ESTAMOS CONSEGUINDO SOBREVIVER HA 8 MESES COM UM CORTE DE QUASE 25% EM NOSSOS VENCIMENTOS.
ENTAO, NAO PODEMOS ESPERAR MARCO DE 2015, OS 25% DE RESERVA QUE NUNCA SAO ATINGIDOS,
A BOLSA DE VALORES, ETC., ETC.
DEITAMOS A NOITE PENSANDO COMO SOBREVIVEREMOS AMANHA, DAI A 8 HORAS. NAO PODEMOS ESPERAR MAIS UM MES. NOSSOS PROBLEMAS ESTAO NOS ATACANDO HOJE. SOMOS IDOSOS, TEMOS VERGONHA DE FICAR PEDINDO "ESMOLAS", DINHEIRO EMPRESTADO DE TERCEIROS PARA FAZER COMPRAS. NUNCA PASSAMOS POR ISSO. ENTENDAM ENTAO, POR FAVOR, QUE PRECISAMOS DE UMA SOLUCAO AGORA. NO MOMENTO ESTOU COM R$ 210,00 NA MINHA CONTA CORRENTE E ESTAMOS NO DIA 2 DO MES DE SETEMBRO. NO DIA 20 DE SETEMBRO NEM SEI SE TEREI DINHEIRO A SER CREDITADO.
ENTAO, SR. CARVALHO, POR MISERICORDIA, PAREM TUDO QUE ESTIVEREM FAZENDO EM SUAS FUNCOES AIH NA PREVI E CONSIGAM UM SOCORRO EMERGENCIAL AGORA. SABEMOS DA HISTORIA QUE A PREVI EH UM COLEGIADO, MAS NAO EH POSSIVEL QUE VOCES DA CHAPA 3 NAO TENHAM NENHUMA AUTONOMIA DE PEDIR UMA REUNIAO DE EMERGENCIA E NOS TIREM DESSE SUFOCO DE HOJE.
AIH ENTAO, QUANDO ESTIVERMOS COM ALGUM DINHEIRO DECENTE NA CONTA CORRENTE, AIH SIM TEREMOS CABECA PARA ACOMPANHAR SUAS FUNCOES DIARIAS AIH NA PREVI E PENSAR NO FUTURO. NO MOMENTO ESTAMOS TENTANDO SOBREVIVER NO PRESENTE. HOJE, AGORA.
ESPERANDO OBTER UMA RESPOSTA QUE NAO SEJA
"DE IMPOSSIBILIDADE TECNICA" MAS DE SOCORRO EMERGENCIAL, SUBSCREVO-ME AGRADECENDO ANTECIPADAMENTE.
N.S.E.

Rosalina de Souza disse...

Prezado Colega Celso Bernardes- Formiga-MG.

Concordo que o oxigênio para nossas sobre vidas depende sim de novos recursos, a proposta do João Rossi é de fácil entendimento,basta boa vontade politica e uma solução é encontrada.

Agora parece que ao meu ver, nossos Diretores e Conselheiros,devido ao numero próximo de 3.000 colegas que estão sobre-endividados, não desperta na Previ uma solução imediata.

Concordo que o ES não é solução, mais no momento nossas possibilidades são nulas, diante da visão da Previ.

SEM RESERVA ACIMA DE 25%,NADA PODE SER FEITO.

Celso caro colega, sinceramente ando mais perdida que cego em tiroteio,porque de fato e de verdade, não somos ouvidos, quem pode negar que o Colega João Rossi não tem visão, sua proposta é de fácil implantação,adiantamento para futura reposição,mas eu te pergunto, prospera uma proposta destas, que não foi feita na calada da noite,na Previ só passa propostas na surdina, feita apenas para beneficiar um grupo.

Minha vontade é de desistir de tudo,mas sempre a esperança e a motivação de ajudar outros iguais a mim, é que me aviva.

Saudações Cordiais,

Rosalina de Souza
Pensionista
Matricula 18.161.320-4

Oracides Garbini disse...

Sou plenamente favorável ao que propõe o sr. Celso Bernardes - Adiantamento e suspensão das mensalidades por conta de futuro resultado positivo.

Marco Orlando disse...

Prezado Carvalho,
Gostaria de saber se a Sra. Tereza Godoy, da ANABB, se manifestou sobre minha sugestão de que as ações de IR 1/3 PREVI fossem pagas com VALORES INCONTROVERSOS, como forma de aliviar o sufoco de vários colegas.
Eu lhe enviei a sugestão há uns dois meses e voce encamihou para a ANABB.
Grato.
Marco Antonio Orlando

Anônimo disse...

Empréstimo Consignado

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 39, DE 18 DE JUNHO DE 2009
Altera a Instrução Normativa nº 28/INSS/PRES, de 16 de maio de 2008,
Art. 1º A Instrução Normativa nº 28/INSS/PRES, de 16 de maio de 2008, passa
a vigorar com as seguintes alterações e reordenamentos em seus arts. 3º e 17:
§ 1º Os descontos de que tratam o caput não poderão exceder o limite de 30%
(trinta por cento) do valor da renda mensal do benefício, considerando que o
somatório dos descontos e/ou retenções não exceda, no momento da
contratação, após a dedução das consignações obrigatórias e voluntárias:
a) até 20% (vinte por cento) para as operações de empréstimo pessoal; e
b) até 10% (dez por cento) para as operações de cartão de crédito.
§ 2º Caso o beneficiário opte por contratar a modalidade de cartão de crédito,
ficará reservada sua margem consignável no montante fixo de 10% (dez por
cento), observado o disposto no parágrafo anterior.
§ 3º Observado o disposto no § 1°, quando o beneficiário não contratar cartão
de crédito, isto implicará em ampliação do percentual da margem consignável
para empréstimo pessoal até o limite de 30% (trinta por cento).

O que vale para o maior órgão pagador de aposentadorias e pensões,deveria servir de espelho para o Maior Fundo de Pensão do Brasil.

Cabe ao Conselheiro Carvalho, pedir um estudo para a DISEG, no sentido de saber como age os outros fundos de pensão, em relação ao tema, e se existe dentro da Previ um regulamento especifico sobre esse assunto.

Com isso evita as contendas judiciais futuras, pois o pessoal não ta mais para brincadeira,e todos nós é que vamos pagar a conta com despesas administrativas.

Anônimo disse...

A Previ é a maior culpada pelo superendividamento dos seus assistidos, eis que para conceder crédito ela previamente analisa a renda do aposentado e pensionista e, portanto, sabem qual é a capacidade de pagamento deste.

Se concede mais crédito do que o consumidor tem capacidade de pagar,mesmo sabendo que ela usa duas margem 30% e 70% para financiamento imobiliário carim, estão a Previ esta agindo de má-fé e a conseqüência será a limitação pelo Judiciário das parcelas, mediante alongamento da dívida em quantas parcelas forem necessárias.

Você entrou agora na Previ na mais alta instância de decisão, eu te pergunto, nenhum conselheiro nunca questionou a área de seguridade a respeito dessas consignações.

O Fato é nobre Conselheiro é que a Previ questiona muito as atitudes dos outros, mas esquece de olhar seus atos administrativos.

Jogar a pedra é muito fácil, difícil é si colocar no lugar dessas pessoas que estão no abismo, e não há ninguém para levanta-las.

Anônimo disse...

Também acho que aumento do ES só piora nossa situação e já chegou a um teto muito alto.Precisamos ter o que nos pertence e é de direito sem aumento de dívida. Estamos nessa situação por conta em primeiro lugar dos calotes da Previ e em segundo por termos nos socorrido dos vários empréstimos que fizemos por causa da necessidade.
Agora muitos estão vendo que sem os débitos de empréstimos até daria para viver com o que ganhamos.

Antonio Carvalho disse...

Prezados:
Lamentando o elevado endividamento de milhares de colegas, agravado com a suspensão do BET e retomada das contribuições, antecipo-me a informar que a Diretoria de Seguridade concluiu ser inviável a implantação da sugestão que apresentei (composição das dívidas). A conclusão será divulgada no site da PREVI.
Carvalho

Antonio Carvalho disse...

-Rogério: 1/09 - 16.04 hs
Esclareço que fui eleito Conselheiro Deliberativo e não Diretor como Você registrou. Nada obstante, quando da decisão para suspender o BET e retomada das contribuições eu ainda não fazia parte do Conselho. Ademais, Votei contra o pagamento de bônus variável aos Diretores da PREVI. Finalmente, nosso mandato será de 4 anos. Lutaremos por todos os temas divulgados em nosso programa de campanha.

Antonio Carvalho disse...

Colegas:
Sobre a postagem de João Rossi, conforme já declarado, a política de remuneração de Diretores da PREVI está sendo revista a partir de 2014 e conforme já declarado, os eleitos defendem desvincular da política do Banco.
Carvalho

Antonio Carvalho disse...

Barreto - 2/09 - 15.48 e 15.49 hs
Até onde eu alcanço é inverídica a notícia no âmbito da PREVI.
Reproduzo, abaixo, informação postada no site da PREVI:
“PREVI esclarece informação improcedente sobre títulos da dívida argentina
Em função de matéria publicada pelo jornal argentino Clarín, em 30/8/2014, sobre uma suposta negociação de títulos da dívida argentina por parte de fundos de pensão brasileiros, a PREVI tem sido demandada pela imprensa e identificado dúvidas de alguns participantes, quanto à veracidade da informação.

Para evitar especulações indevidas e melhor esclarecer nossos associados, ressaltamos que a Entidade não possui, não está negociando e nem pretende utilizar esse tipo de investimento. Além disso, a classificação de risco daquele país não nos permitiria fazer qualquer aplicação dessa natureza.

Os investimentos e desinvestimentos dos ativos dos planos administrados pela PREVI são realizados em consonância com as Políticas e normas vigentes, bem como divulgados sistematicamente pelos veículos de comunicação oficiais e pelo Relatório Anual.”

Anônimo disse...

COLEGAS:

Matéria reproduzida integralmente conf. Link público:
http://adairosembak.blogspot.com.br/2014/09/acao-de-medida-cautelar-contra-o-bonus.html

quarta-feira, 3 de setembro de 2014
Ação de Medida Cautelar contra o Bônus - AFABB-BA, presidida por Pedro Paulo Portela Paim
Esta matéria nos foi encaminhada pela Companheira Marta E.T. Balbi
COM ENTUSIASMO REGISTRAMOS A NOTÍCIA DA AÇÃO DE MEDIDA CAUTELAR
PROPOSTA PELA AFABB(BA) DEFERIDA EM 02 DE SETEMBRO DE 2014.
CONCLAMAMOS QUE DEMAIS ASSOCIAÇÕES SIGAM O MODELO DESTA ACERTIVA.
TODOS UNIDOS, COM CERTEZA, É RUMO À VITÓRIA !
PARABÉNS AFABB SALVADOR E EXTENSIVO AOS ADVOGADOS.
CONGRATULAÇÕES,
MARTA BALBI


ADV: ANDRE LOPES SANTOS (OAB 32072/BA), CARLA WANESSA DA SILVA COSTA (OAB 36242/BA) - Processo 0546903-33.2014.8.05.0001 - Cautelar Inominada - Liminar - AUTOR: ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS APOSENTADOS DO BANCODO BRASIL DA BAHIA - AFABB-BA - RÉU: Caixa de Previdencia dos Funcionarios do Banco do Brasil - PREVI –
Defiro opedido de medida cautelar, eis que, no caso em exame,
satisfeitos os requisitos legais pertinentes. Como consabido, osrequisitos necessários para se alcançar providência de natureza cautelar são o fumus boni juris e o periculum in mora.Trataseo fumus boni juris pela plausibilidade do direito substancial invocado por quem pretende a segurança .Incertezas ou imprecisões acerca do direito material do postulante não podem assumir a força de impedir-lhe o acesso à tutela cautelar.
Caso, em um primeiro momento, a parte tenha possibilidade de exercer o direito de ação e se o fato narrado, em tese, lhe
assegura provimento de mérito favorável, presente se acha o fumus boni juris, em grau capaz de autorizar a proteção das
medidas preventivas. No que toca ao periculum in mora, há de se vislumbrar um dano potencial, um risco que corre o
processo principal de não ser útil ao interesse demonstrado pela parte. O receio não se funda em simples estado de espírito
do requerente, mas sim se liga a uma situação objetiva, demonstrável através de algum fato concreto.Assim, o perigo de dano próximo ou iminente é, por sua vez, o que se relaciona com uma lesão que provavelmente deva ocorrer ainda durante
o curso do processo principal, isto é, antes da solução definitiva ou de mérito. Analisando os fatos descritos na inicial à luz dos requisitos sobreditos, resta certo merecer o pedido nela formulado acolhimento, eis que, SÃO GRAVES os fatos que segundo a inicial, estão na iminência de ocorrer, pagamento de valores significativos que a autora, entidade representativa dos aposentados questiona. Ata da autora que se encontra nos autos inclusive deliberou o temor no particular. Com efeito,ocorrendo o pagamento de vultosa quantia aos DIRETORES da PREVI, poderá sofrer esta danos irreparáveis. Observa-se,por oportuno, que dos 06 diretores a serem beneficiados, 03 se posicionaram contra. Voto de Minerva como dito na inicial.
QUESTÃO, pois, POLÊMICA. POSTO ISSO, com base nos arts.798,799 e 804 do Código de Processo Civil, defiro a liminar
pretendida, conforme inicial, para o fim de obstar a que a ré CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO
BRASIL - PREVI se abstenha de proceder ao pagamento do BONUS DE R$500.000,00 (quinhentos mil reais) aos seus
DIRETORES, até ulterior deliberação deste Juízo, sob pena de multa de R$500.000,00 (quinhentos mil reais). Intime-se.
Cite-se. Salvador(BA), 02 de setembro de 2014. Osvaldo Rosa Filho Juiz de Direito

Anônimo disse...

Conselheiro Carvalho, desculpa-me por ter lhe chamado de diretor, é que sou meio ignorante nestes assuntos. Mas, você entendeu o que eu quis dizer, peço-lhe mil desculpas por estar incomodando o colega. Doravante, não incomodarei mais ninguém, pois a Previ nos dá moral de cuecas, mas não cumpre as decisões judiciais com transito em julgado. Abraços e Paz e Bem. Rogério Luiz Carvalho, Pelotas .RS.

Anônimo disse...

Carvalho,
Você fez sua parte tentando ajudar os endividados e merece nossos agradecimentos.Mas a Previ recusa toda e qualquer ajuda aos associados que ela contribuiu para o endividamento autorizando consignados acima do limite legal.Agora só nos resta buscar na justiça esse limite.