quarta-feira, 17 de setembro de 2014

PREVI - ENCONTRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

Nos dias 15 e 16 de setembro participei do Encontro PREVI de Governança Corporativa que contou com cerca 450 profissionais entre Gestores de Recursos, Conselheiros Nacionais e Internacionais, Presidentes e Diretores de Empresas Participadas da PREVI e de outros Fundos de Pensão, que teve como objetivo a integração e atualização de Conselheiros e Dirigentes relacionados a Fundos de Pensão no Brasil e no mundo, buscando aprimoramento de Governança Corporativa e melhorias de resultados.
 Todos os painéis foram relevantes e trataram de temas atuais relacionados ao mundo corporativo, em tempo de incerteza. Li e apreciei as postagens dos colegas Conselheiros Dr. Medeiros e Professor Ari zanella. Gostei do evento como um todo. Já havia participado de edições anteriores. Senti falta de apresentação de painel com cenários e tendências econômicas e de previdência. Destaco o painel sobre Governança Corporativa, proferido pelo Dr. Keynote Speaker, mediado pela Presidente do Conselho de Administração do IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - Sandra Guerra - cujo tema central foi o papel e responsabilidades dos Conselheiros em suas corporações, destacando a necessidade de que os conselheiros sejam competentes, transparentes,  tenham autonomia e compromisso de atender os interesses dos acionistas e partes interessadas. Fica claro que na PREVI os acionistas somos nós, os participantes. Enfatizou mais de uma vez a necessidade e a importância da comunicação, que é responsabilidade, também, do Conselho. Tenho registrado no Conselho a necessidade de melhorias da comunicação da PREVI, tema este que será contemplado no Plano Estratégico (2015 a 2018), em fase de aprovação. Defendemos a necessidade de prestação de informações do interesse dos participantes, com tempestividade, resguardados os assuntos estratégicos e de comprovada confidencialidade. Perguntado por mim, o palestrante discorreu sobre sua visão e experiências em Fundos de Pensão, confirmando que as regras de boas práticas a serem observadas pelas empresas valem também para os Fundos de Pensão.   
 Este evento, de nível elevado, sendo o maior e mais importante do gênero no Brasil contou com patrocínios de empresas parceiras. Os Conselheiros de empresas, indicados pela PREVI, a exemplo de anos anteriores, custearam parte de suas despesas.
Antonio J. CARVALHO

3 comentários:

Anônimo disse...

Colega Carvalho,

Senti firmeza na sua descrição sobre o encontro em sua totalidade. Só espero que a própria PREVI, como você bem o disse, siga no caminho da transparência, tão necessária para nós, participantes e assistidos. Precisamos continuamente saber o que esta ocorrendo com nosso fundo de pensão, pois dele dependemos para o sustento adequado de nossas famílias. E digo isto calcado na realidade transmitida por inúmeros comentários de outros colegas: idade avançada e doenças impedem o reingresso no mercado de trabalho. Mas tenho como certo que você e os demais eleitos da chapa 3 são batalhadores incansáveis e com o tempo alcançarão o objetivo programado.

Luiz Faraco - Florianópolis (SC)

Paulo Beno, disse...

Colega Carvalho,

Visto que a INVEPAR teve lucro líquido de R$ 96,174 milhões em dez/2013 e 25,56% pertencem à PREVI,e corresponde a 1,4837% de nossos Recursos Garantidores, pergunto:

Estaria a INVEPAR submergindo na "Curva J" ao ter o prejuízo de R$ 28,308 milhões no 2T14 ?

A arrematação do Aeroporto de Guarulhos (SP) em fev/13 por 16,213 BIlhões, com ágio de 373,5% foi excessiva?

Anônimo disse...

O ágio no lance foi tão elevado e fora da realidade que o primeiro a cair fora foi o Bradesco.