segunda-feira, 27 de outubro de 2014

FUNDOS COBIÇADOS



Compartilho, abaixo, notícia que circulou hoje nos jornais Correio  Brasiliense e Estado de Minas, escrevendo sobre os Fundos de Pensão, em que a PREVI é citada. Mais uma vez as ações da Petrobrás despencaram e a bolsa atingiu o menor índice do ano.
"Além de financiadores de projetos de infraestrutura, fundações de previdência têm participação estratégica em grandes empresas. Só nas oito maiores entidades mantidas por estatais, 70 vagas de diretores serão trocadas nos próximos dois anos

ANTONIO TEMÓTEO
Donos de uma montanha de dinheiro no valor de R$ 702,3 bilhões, os fundos de pensão terão papel estratégico no próximo governo. Não apenas porque serão os principais financiadores dos projetos de infraestrutura do país e acomodarão aliados políticos que darão suporte ao futuro administrador do Brasil, mas também porque possuem um enorme poder de influência em empresas estratégicas para a economia do país. Os cargos de direção das fundações são tão relevantes que, em alguns casos, dão mais projeção do que o posto de ministro. As oito maiores entidades fechadas de previdência complementar de estatais têm quase metade desse patrimônio -- R$ 346 bilhões. Nelas, existem 70 vagas de diretores e conselheiros, que são indicados pelas patrocinadoras com o aval do Palácio do Planalto. Todos poderão ser substituídos nos próximos dois anos.
Além de interferir diretamente na gestão dos fundos, o governo dá palpites na escolha dos representantes das fundações nas companhias em que elas têm participações acionárias. Apenas as três maiores entidades de previdência complementar de estatais -- Previ, dos funcionários do Banco do Brasil (BB); Funcef, da Caixa Econômica Federal; e Petros, da Petrobras -- detêm ao menos 321 assentos em conselhos fiscais e de administração de empresas privadas de vulto, como Vale, Embraer, Ambev, Brasil Foods e Oi.
Influência À frente do maior fundo de pensão da América Latina, com R$ 173 bilhões em ativos, o presidente da Previ, Dan Conrado, acumula também o comando do conselho de administração da Vale, uma das maiores mineradoras do mundo. Conrado, dois diretores e cinco conselheiros, todos indicados pelo Banco do Brasil, ainda têm influência na gestão de pelo menos 65 empresas das quais a Previ é acionista. Ao lado de três diretores e cinco conselheiros eleitos pelos participantes do fundo, eles têm direito de indicar os ocupantes de 222 assentos nos conselhos fiscais e de administração dessas companhias.
A Previ afirma que 93% dos conselheiros selecionados para essas empresas são ou foram funcionários de carreira do Banco do Brasil. Além do salário de mais de R$ 50 mil, Conrado, por exemplo, pode receber até R$ 13.151,76 como conselheiro -- limite estabelecido pelos estatutos da fundação para um dirigente ou funcionário que a represente em alguma das empresas de que seja acionista.
Na Petros, segundo maior fundo do país, com R$ 79 bilhões em ativos, o nível de interferência governamental é ainda maior. Embora eleitos pelo conselho deliberativo, que tem metade de seus integrantes escolhida pelos empregados, todos os diretores precisam ser indicados pelo governo. A fundação indica representantes para os conselhos fiscais e de administração, interferindo diretamente na gestão de pelo menos 18 empresas das quais é acionista -- uma lista que abrange setores tão diversos como alimentos, infraestrutura, logística e telecomunicações.
Loteamento político
Na Funcef, terceiro maior do país com R$ 56 bilhões de patrimônio, metade da diretoria e dos conselheiros é eleita pelos participantes. O restante é indicado pela Caixa, sempre com anuência do Palácio do Planalto. Os salários dos diretores da fundação têm como parâmetro a remuneração do vice-presidente do banco público e não podem ultrapassar o teto constitucional de R$ 29,4 mil. O fundo de pensão mantém investimentos em 176 empresas listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa). Além de possuir diretamente assentos nos conselhos de administração de três delas, a fundação faz indicações para 48 cargos de conselheiros por ser cotista de fundos de investimento em participação que são acionistas das companhias.
No Real Grandeza e no Fapes, fundos de pensão de Furnas e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), respectivamente, todos os dirigentes são indicados pelas patrocinadoras, com aval do governo. Os participantes só têm direito a eleger metade dos membros dos conselhos. O Real Grandeza investe em 26 companhias e, em três delas, possui assento em conselhos. O Fapes tem participação em 97 empresas, em 95 delas por meio de fundos de investimento, com assento no conselho de duas. Ceres, da Embrapa, e Economus, dos empregados da antiga Nossa Caixa, comprada pelo BB, não se pronunciaram até o fechamento desta edição.
Em muitos casos, o loteamento político dos cargos de gestão dos fundos de pensão traz prejuízos ao patrimônio dos participantes. Na Postalis, entidade de previdência complementar dos trabalhadores dos Correios, desde 2003, as vagas de diretores são loteadas entre o PT e o PMDB. A falta de critérios técnicos para essas escolhas levou a fundação a acumular perdas de mais de R$ 1 bilhão"

17 comentários:

blogtreze disse...

"Cláudio Almeida disse... Prof.

Hoje é o último dia para renovação do ES pelos parâmetros atuais (Revista Previ 179, pag.17).

Chapa 3 180x180 em nov/14 para garantir o Natal....
Abraços, 29/10/14 10:53 "

REFORÇO o pedido:

Ainda mais agora, que vão tomar um caldo no Senado com o PDS x Res.26, poderiam exigir que DUAS ou TRES condições sejam inalteradas ou melhoradas:

1) Teto ES: R$145 mil ou 150; 160.
2) Prazos: 120 meses ... 136 meses
3) Desconsiderar na MC 30%, o total das Contribuições-C800 ou parte dela (50%...)

Pelo menos: manter 150/120; ou elevar para 160/136...

Afinal, existem Benefícios que comportam essa elevação, inclusive em Janeiro com incremento do INPC.

Paulo Beno disse...

Ola Carvalho,

A PREVI divulgou em 20/10/2014, no site em "transparência" (investimentos) o Acompanhamento de Empresas Participadas "AEP", porém esqueceram-se de informar nos campos próprios a porcentagem de ações que detém , bem como a interessante informação da porcentagem dos nossos Recursos Garantidores, nas respectivas empresas.
Salientamos que em abril de 2014 tais informações não foram sonegadas.
Lastimamos a falta de transparência das atuais "AEP", que divulgam o que se passa na reuniões de acionistas...

Favor verificar o que ocorreu.
Um abraço
Paulo Beno - Carazinho (RS)

Adaí Rosembak disse...

Caro Carvalho,

Excelente sua nota.
Temos de estar de olhos bem abertos pois do jeito que o Governo está os fundos de pensão são uma alternativa para cobrir os furos.
E haja furos.

Adaí Rosembak

blogtreze disse...

Colegas, 2 considerações:

"A Previ foi rápida em prorrogar os parâmetros atuais do ES para 31.12.2014.
Sem qualquer alteração. Os diretores da chapa 3 participaram da decisão? "

Tenho certeza que manter as condições do ES é conveniente, pq em Janeiro a MC melhora com o reajuste de 6,5%.
A elevação do prazo para 120 meses comportaria elevar o Teto para 150.000,00.

Pode ser que na reunião de Novembro se fixe as regras do 145 / 150 / 160.000,00 // 120 meses (não cabe mais).

CABE sim tabela em cascata que reduza em 12 meses o prazo total nas adesões/renovações a partir dos 55 anos:

50/54 - 120 meses
54/58 - 108
58/62 - 96
62/66 - 84
66/70 - 72
74/78 - 60
78/82 - 48
82/86 - 36...
Fica a critério de estudos técnicos alterar o método atual.

A Diretoria indicada pelo BB deveria estar preocupada em preservar os
Investimentos na Bolsa e reverter para Renda Fixa.

Que tal fazermos o que o Dilma disse e não fará?

Ora de somar e não de dividir esforços.

Quanto ao PDS, se a PREVI e BB não cumprirem as ordens da Previ,
só resta a solução no Senado ou via Judicial.

Retomem a Denúncia ao MPF !!!

goulart disse...

Caro Carvalho, a Previ, não mexeu em muita coisa no ES, somente prorrogou o Es para os atuais 120 meses, e não alterou limite, e não mexeu em margem alguma possivel, de qualquer um. Não adiantou nada, parece, pois quem estava excluido, continua... tudo de bom, colega Goulart, de Cambé-PR, na esperança de dias melhores.

Antonio Carvalho disse...

Colegas:
Continuamos atentos e lutando em busca de melhorias no empréstimo simples. Também continuamos atentos a outras questões. Continuaremos postando informações.

Anônimo disse...

>>>>>>>A TODOS OS COLEGAS<<<<<<<<<
>>>>>>>>>>>URGENTE <<<<<<<<<<<<<<<
APROVEITANDO A DEIXA DE JUAREZ BARBOSA:

PDS - PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO (SF), Nº 275 de 2012 – SENADOR PAULO BAUER

VAMOS TODOS SOLICITAR A QUEM DE DIREITO, O DESARQUIVAMENTO DESTE PDS, ANTES QUE ELE SEJA ARQUIVADO MAIS UMA VEZ POR “TERMINO DE LEGISLATURA”. IGUALMENTE PROMOVER AÇÕES QUE VISEM IMPINGIR MAIOR CELERIDADE EM SUA TRAMITAÇÃO.
URGENTE,
Abraços a todos
CELSO BERNARDES
31/10/2014
Formiga-MG

Anônimo disse...

>>>>>>>>>>A TODOS OS COLEGAS <<<<<<<<<<
>>>>>>>>>>>>>>>URGENTE <<<<<<<<<<<<<<<
APROVEITANDO AS COLOCAÇÕES DA FAABB:

PDS - PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO (SF), Nº 275 de 2012 – SENADOR PAULO BAUER

VAMOS TODOS SOLICITAR A QUEM DE DIREITO, O DESARQUIVAMENTO DESTE PDS, ANTES QUE ELE SEJA ARQUIVADO MAIS UMA VEZ POR “TERMINO DE LEGISLATURA”. IGUALMENTE PROMOVER AÇÕES QUE VISEM IMPINGIR MAIOR CELERIDADE EM SUA TRAMITAÇÃO.
URGENTE,
Abraços a todos
CELSO BERNARDES
31/10/2014
Formiga-MG

Cláudio Almeida disse...


Prezado Carvalho,

Ótimo que continuem lutando pelo ES.

Mas não consegui respostas para:

1. Por que 31.12.2014, quando o benefício só sera corrigido em janeiro/15?

2. Os diretores da chapa 3 participaram da decisão de prorrogar até 31.12.2014?

Abraços

Aristophanes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Aristophanes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Carvalho, Favor publicar:


>>>>>>>>>>A TODOS OS COLEGAS <<<<<<<<<<
>>>>>>>>>>>>>>>URGENTE <<<<<<<<<<<<<<<
APROVEITANDO AS COLOCAÇÕES DA FAABB:

PDS - PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO (SF), Nº 275 de 2012 – SENADOR PAULO BAUER

VAMOS TODOS SOLICITAR A QUEM DE DIREITO, O DESARQUIVAMENTO DESTE PDS, ANTES QUE ELE SEJA ARQUIVADO MAIS UMA VEZ POR “TERMINO DE LEGISLATURA”. IGUALMENTE PROMOVER AÇÕES QUE VISEM IMPINGIR MAIOR CELERIDADE EM SUA TRAMITAÇÃO.
URGENTE,
Abraços a todos
CELSO BERNARDES
01/11/2014
Formiga-MG

Anônimo disse...

(Carvalho, estou postando mensagem enviada para a Cecilia Garcez)

Prezada Diretora Cecília,

Peço a especial fineza de argumentar junto a seus pares e o Diretor de Seguridade que a proposta que será estudada “170” = prazo + idade, não resultará em benefício para os que não conseguiram o “ES”, ficando a situação da mesma forma atual.
Sugeri para a Previ, via “autoatendimento” os seguintes:
1 – Reanalisar a possibilidade de renegociação sem a liberação de crédito novo, de forma que diminua o impacto do valor da prestação no benefício Previ; ou
2 – Proposta de “180” e
3 – Excluir da margem consignável a contribuição para a Previ de “autopatrocinados”, permanecendo, apenas, a contribuição mensal normal. Entendo que os “autopatrocinados” estão penalizados em sua margem pela dupla contribuição em relação aos demais assistidos.
Acho que, com um pouco de boa vontade e usando argumentos contundentes e com poder de convencimento, a senhora e outros diretores por nós eleitos conseguirão obter as “simples” mudanças ora propostas, uma vez que não causarão quaisquer impactos nas reservas de recursos destinadas à concessão de “ES” e, como ponto positivo, extinguiria, sobremaneira, a possibilidade de inadimplência em curto prazo.

Valdevino disse...

Prezados Ari, Carvalho, Cecília e Medeiros (Transcrevo sugestão enviada à Previ p/Autoatendimento)

Ao Diretor de Seguridade, Senhor Marcel:

Quanto à prorrogação para 31/12 das condições do ES estabelecidas em julho, respeitosamente, faço as seguintes considerações:
1 – A simples prorrogação por mais 2 meses não atenderá os assistidos que, hoje, não possuem margem consignável, portanto, a meu juízo, não identifico qualquer benefício em prol dos assistidos em função da referida prorrogação.
2 – Dada a impossibilidade já manifestada por essa Caixa quanto à concessão de renegociação do saldo devedor sem liberação de crédito novo, que seria o desejo da maioria dos assistidos, visando diminuir o impacto da parcela mensal em seu contracheque, sugiro:
a – Estender o prazo de 120 meses previsto para as faixas etárias de até 50 e de 51 a 62, também, para a faixa de 63 a 74 anos.
b – Flexibilizar, por mais 12 meses, os prazos previstos para as faixas subseqüentes, ou sejam, 75 a 86, 87 a 98 e a partir de 99 anos.
c – Não computar no cálculo da margem a contribuição mensal para a Previ relativamente aos assistidos AUTOPATROCINADOS, mantendo, no referido cálculo, apenas a contribuição mensal normal.

Entendo tratar de sugestões possíveis, sem aumentar o risco da inadimplência, sem impactar a reserva de recursos destinada aos empréstimos simples e, justiça se faria aos AUTOPATROCINADOS que, com a volta das contribuições em janeiro 2014, tiveram um impacto negativo na margem consignável em relação aos demais.

Prezado Diretor, conto com a sua sensibilidade na análise das propostas, uma vez que estou expondo minha opinião com toda transparência e dignidade que são peculiares.

Tenha certeza Sr. Diretor, que, senão 100%, a grande maioria dos assistidos mais necessitados de recursos para manutenção de suas famílias ficarão satisfeitos e agradecidos pela posição positiva que o Senhor tomará juntamente com os seus pares.
Atenciosamente
Valdevino Alves Sobrinho

Rosalina de Souza disse...

Prezado Conselheiro Carvalho,

Desde que saiu a edição da revista da Previ dando explicações sobre o Empréstimo Simples,nas entrelinhas do discurso barato havia um claro recado a CHAPA 3 e os Assistidos da Previ de que em 2014, as alterações já havia sido feita, com claro apoio dos atuais eleitos.

Pode dizer o que melhor servir de desculpas,mas a CHAPA 3 Previ Livre Forte e de Todos, foi conivente e aceitou covardemente esta alteração feita pela Diretoria Executiva e como também o Conselho Deliberativo, nada fez além de pedido baseado em uma única proposta defendida pelo Conselheiro Carvalho, que apenas alongava o prazo de pagamento,sem novo aumento de limite.

Esta questão do Empréstimo Simples é eleitoreira, baseada em pilares rachados e falidos, pois a logica diz que novos avanços é esbarrado pela formula criada no mandato do Diretor de Seguridade, ES-170 que penaliza os tomadores mais idosos,ficando patente a falta de vontade e o descaso com os mais velhos do PB-1 da Previ.

Falar, mostrar os erros, apontar os caminhos é tarefa inócua, pois todos os eleitos sabe das nossa necessidades e da real situação porque passa a maioria dos Aposentados e Pensionistas da Previ, em especial os do PB-1 que a cada dia aumenta mais a insatisfação com esta e tantas outros administrações que passam pela Previ com síndrome de mentiras e enganação, para garfar o eleitor ingenuo e cheio de esperança de dias bem melhores.

Não acredito em mais nada, para mim tudo esta fora de contexto e fora da verdadeira realidade, e por ter visto a cada ano a piora financeira, nada mais me admira, nem choros nem lamentos, pois a realidade bate a nossa porta todos os dias e em todos os momentos.

Aconselho a todos os seus fieis leitores, pare de chorar, para de se lamuriar, afinal todos ficam sabendo da nossa vida e o resultado tem sido a piora nas negociações a nosso favor, e ao termino de mais um mandato vamos ver quem tinha razão.

Atenciosamente,

Rosalina de Souza
Pensionista
Matricula 18.161.320-4

Anônimo disse...


Nossa mais uma vez fala em mudanças no ES que não ira atingir os mais velhos ... que vergonha ... cansei ... nunca mais voto em chapa nenhuma ... porque na hora de encher meu E-mail de pedidos para votar ... to viva ... na hora de ajudar com o ES ... to morta ... o pior que acreditei na Chapa 3 ... e agora o que faço ... fico esperando a morte chegar???????

Antonio Carvalho disse...

Prezados:
- Os assuntos mais falados no momento em Congressos e Seminários são comunicação, informações e transparência. Também será tema do Congresso da ABRAPP a ser realizado em entre 12 a 14 de novembro. Tenho pautado e debatido em todas as reuniões do Conselho a necessidade de melhoria na comunicação da PREVI junto aos participantes, desde que não sejam de negócios estratégicos.
- Os Diretores eleitos pela chapa 3 participam, sim, de todas as decisões da Diretoria, que ocorre por maioria dos votos. Continuamos lutando para alguma melhoria nos empréstimo simples. Sempre existe o que melhorar e ajustar em benefício de todos.
- Agora, passadas as eleições, vamos retomar os contatos e ações para retomada do PDS 275/2012, que objetiva cancelar artigos abusivos da resolução 26/2008. Continuamos atentos.
Carvalho.