quarta-feira, 20 de maio de 2015

PREVI – DENUNCIAS INFUNDADAS



Disponibilizo no final da presente mensagem, explicações da Diretora Cecilia sobre a denúncias postadas pelo Diretor Marcel nas redes sociais.
Sobre o assunto, já me manifestei mais de uma vez nos grupos da internet. Repito: O Órgão máximo da PREVI, com poderes para aprovar estratégias e alterar Estatutos, Regulamentos e Normas é o Conselho Deliberativo, que integro com muito orgulho, onde falo e me posiciono em nome dos 200 mil participantes (donos), principalmente dos 100 mil aposentados e pensionistas e muito particularmente dos 36 mil que nos confiaram o voto. Continuarei fiel, defendendo e lutando pelos interesses de todos.
Em nenhum momento, no Conselho, foi debatido redução de Diretorias, enfraquecimento de direitos dos participantes e corte de funcionários. Autorizamos, sim, elaborar projeto para Eficiência Administrativa e redução de despesas, dobradas nos últimos quatro anos, melhorar processos de atendimentos e comunicações.Vamos continuar nesta trilha.
Na reunião do dia 22 de maio um amplo projeto, com diagnósticos, simulações, com milhares de informações e comparações com Fundos de Pensão do Brasil e do mundo, será levado ao conhecimento do Conselho. Não está pautado para deliberação. A Diretoria ainda não não se manifestou. Estamos nas preliminares e já existem desesperos desnecessários.
Dentre outros grandes desafios dos eleitos em 2014 constam o enfrentamento de problemas crônicos e recorrentes, como modernização do parque tecnológico, sucateado, e solução de pendências crônicas como Bônus e Teto de Benefício por mim pautados em todas as reuniões do Conselho, o que acredito em soluções no curto prazo, além de ações para pagamento de benéficos referentes a sete e 8 horas decorrentes do Banco.
Ao tempo em que adianto que seria o primeiro a “Botar a Boca no Trombone”, como já fiz em outros momentos, continuamos firmes, atentos e vigilantes, defendendo com seriedade e responsabilidade os legítimos interesses de todos nós.
Antonio J. Carvalho – Conselheiro Deliberativo.

“Domingo, dia 17.05, fui surpreendida por uma consulta de um associado sobre um e-mail que o mesmo recebeu e que queria saber se eram verdadeiras as acusações. O e-mail, assinado pelo atual diretor de Seguridade, Marcel Barros, me acusa de entregar a gestão da Previ para o Banco do Brasil, fazendo várias acusações sérias. Tenho recebido vários e-mails de colegas me questionando sobre essas acusações e eu gostaria de compartilhar a verdade com vocês.
Infelizmente, esse pessoal ligado à Contraf-CUT não aceita a derrota nas eleições do ano passado e, na minha opinião, é puro desespero, pois é uma posição equivocada de um projeto da Previ que tem a ver com a busca de eficiência operacional, com a devida redução das despesas administrativas, principalmente na área de Tecnologia da Informação (TI). Em nenhum momento foi tratada a alteração da governança. Isso que ele se refere de forma mentirosa e leviana trata-se de um diagnóstico que foi contratado com a aprovação de toda a diretoria, inclusive ele.
As informações divulgadas pelo diretor são mentirosas. A revisão de TI que estamos fazendo é interna e visa uma melhoria em todos os sistemas e na forma como trabalhamos as demandas. Não tem nada a ver com o Banco. O maior problema é que a Previ tem sistemas muito antigos. Por exemplo: o sistema de Seguridade foi criado em 1998 e com o passar do tempo foram criados "puxadinhos" para incorporar as mudanças no plano 1. O tempo de vida de um sistema varia em torno de 8 anos e o de Seguridade, o maior e mais importante da Previ, tem mais de 15 anos. Isso significa que cada vez mais as manutenções (ajustes no sistema) demoram mais tempo para efetivar e isso torna o processo caro, fora outras questões da área de TI.
Foi contratada consultoria para apresentar um diagnóstico sobre os custos da Previ (contratação aprovada por unanimidade) e foram identificados pontos de custo alto nas atividades da área de informática, bem como na área de Seguridade. Da mesma forma, havia uma contratação totalmente equivocada de uma cooperativa que prestava serviços à Previ, na área de TI. O custo desses serviços só estava aumentando sem representar ganho de produtividade, fora que havia várias reclamações, inclusive da auditoria, em relação a esses serviços. Esses serviços eram prestados, sem controle, no prédio do Mourisco, onde o aluguel é muito alto e tudo bancado pela Previ. Nós mudamos essa forma de contratação para um modelo que funcionará de forma remota e com indicadores de desempenho, onde teremos o controle das demandas e entregas. Estamos contratando um serviço totalmente profissional. Essa mudança desagradou o Diretor de Seguridade, talvez em função de sua ligação com funcionários dessa cooperativa.
Essa atitude do Diretor de Seguridade demonstra o desespero dessa turma por ter perdido vários processos eleitorais, como o da Funcef, Petros, Postalis e Previ. O medo de perder mais uma vez no próximo ano faz com que esse pessoal jogue na lata do lixo todos os preceitos de respeito e ética. Aliás, estamos vendo desde o mensalão e reforçado no lava-jato que eles já jogaram a ética na lata do lixo há muito tempo.
O Diretor esquece suas responsabilidades como executivo não observando o funcionamento da governança da Previ, das funções tanto da diretoria quanto do Conselho Deliberativo, o órgão máximo da Previ, responsável em discutir e aprovar quaisquer questões relativas à mudança de estrutura organizacional, transferindo de forma leviana para a Diretoria de Administração o poder de propor e decidir medidas de responsabilidade do Conselho Deliberativo.
Eu tenho muito orgulho dos valores de honestidade e ética que aprendi com minha mãe e que levo muito a sério na minha vida e é o exemplo que dou para os meus filhos e neto e, não permitirei, que uma maldade desse porte me atinja.
O grupo (Previ livre, forte e de todos) não tem máquina, não tem partido, não é ligado a nenhum sindicato, não tem uma liderança definida, mas tem muita disposição para defender os interesses de todos os associados da Previ. E, principalmente, não desistiriremos de lutar por melhorias para os associados.
É esse o meu compromisso com os colegas e funcionários da Previ, compromisso com a verdade e a ética, buscando sempre o que é melhor para a entidade e, consequentemente para os associados.
Estou à disposição para responder se houver mais dúvidas. Minha consciência está tranquila porque estou fazendo o melhor para a Previ, que refletirá em um melhor atendimento aos associados e esse é o meu objetivo. Fazer mais, com menos e melhor”.

7 comentários:

Oracides Garbini disse...

Bom dia.
Fiquei satisfeito com as explicações da Diretora. O que me preocupa é essa guerra por cargos e poder entre os componentes da gestão compartilhada. Todos devem focar os interesses maiores dos associados.Aliás, levaremos em conta a atuação de cada um no próximo pleito. Estamos cansados da gana pelo poder de partido/sindicato. Nem preciso dizer quais.

Anônimo disse...

Carvalho,

O que o relatório aponta? Quando foi realizado a pesquisa? Metodologia utilizada? Quanto tempo mudou? Esse relatório aponta redução de quadro? Eficiência Administrativa não seria igual a redução do quadro técnico?

Anônimo disse...

Boa reunião amanhã (dia 22) no Conselho Deliberativo da Previ.

É necessário dar um basta nas mentiras deste Diretor Marcel. Punição nele!!!

Adaí Rosembak disse...

Caro Carvalho,

Tenho acompanhado com muito cuidado essa polêmica levantada pelo Diretor Marcel contra, principalmente a Diretora Cecília Garcez.
Marcel está envolvendo um jogo de baixa política em um problema sério de atualização tecnológica da PREVI.
É verdadeiramente uma baixaria.
Parabéns pelo seu corajoso posicionamento pela defesa de nossos interesses e pelo seu senso de ética quando defende Cecília Garcez.
Adaí Rosembak

Adaí Rosembak disse...

Caro Carvalho,

Estou preparando uma manifestação no meu blog a respeito desse assunto Marcel/Cecília.
Solicito sua autorização para reproduzir - se necessário for e citando seu blog - seus comentários que estão extremamente bem colocados.
Antecipadamente Grato
Adaí Rosembak

Antonio Carvalho disse...

Prezado Anônimo (21/05 - 10.18 hs)
Não é legal e não é ético expor documentos sem autorização das partes.
Informo que o relatório foi entregue ao Conselho, para conhecimento, conforme solicitação de rotina, pautada anteriormente à denuncia. Será apreciado e debatido como todas as matérias pautadas, terá encaminhamento no âmbito do Conselho, por ser a instância máxima, respeitada a Governança. Oportunamente será divulgada manifestação institucional da PREVI , após o que, farei outros comentários, se necessários.
Reafirmo: No Conselho, desde a minha posse, nunca foram cogitados e nem debatidos redução de diretorias ou enfraquecimento de direitos dos participantes (donos). Jamais defenderei e ou votarei propostas que possam acarretar ameaças ou prejuízos aos participantes. Tenho certeza que esta é também a postura dos eleitos na chapa 3 – PREVI LIVRE, FORTE E DE TODOS.
Eficiência administrativa é muito mais amplo que redução de quadro.
Carvalho

Antonio Carvalho disse...

Prezado Adai,
Grato por suas referências.
Pontuando sua costumeira atenção, informo que todos os documentos que publico no Blog ou grupos são de uso público e podem ser reproduzidos, da maneira desejada, citando a fonte, conforme já informei em outras oportunidades.
Abraço,
Carvalho.