quarta-feira, 24 de agosto de 2016

PREVI DIVULGA RESULTADO DO PRIMEIRO SEMESTRE 2016

Em substituição à mensagem anterior.
A PREVI divulgou em seu site o resultado do primeiro semestre de 2016 e perspectivas.
Veja os principais números do Plano 1 (junho 2016 e dezembro de 2015):
a) – Ativos totais R$ 155,5 bilhões. Em dezembro de 2015, R$ 148,8;
b) – Provisões matemáticas R$ 142,4 bilhões. Em dezembro 2015 R$ 135,8 bilhões;
c) – De janeiro a junho de 2016, a rentabilidade total foi de 7,3%, próximo da meta Atuarial de 7,6%. Do total dos investimentos, 41,8% está em renda fixa e 47,2% em renda variável.  A renda fixa rentabilizou em 9,4%, superior à meta de 7,9%. As aplicações em renda variável renderam 6,6%, bem inferior aos 17,7% apresentados pelo IBRX (índice da BOLSA, composto pelas ações das 100 maiores empresas). Do total da renda variável, 49% estão na VALE, NEOENERGIA e INVEPAR. Para o desempenho da PREVI, estas empresas independem da BOLSA;
d) - Já em 2015, com a meta atuarial de 16,8%, a rentabilidade foi (-2,8%). As aplicações em renda fixa renderam 14,6%, inferior à meta que era de 17,4% e a renda variável foi negativa em (-17,2%), também menor que o IBRX (-12,4%).
e) – No Primeiro semestre de 2016, o déficit foi de R$ 1,7 bilhões. Logo, o déficit acumulado subiu para R$ 17,8 bilhões. Na apuração deste resultado foi considerado o valor econômico de 2015 da VALE, NEONERGIA E INVEPAR. Estas empresas somente serão avaliadas no final do ano;
f) Em dezembro de 2015, numa conjuntura adversa, com a bolsa aos 43.349 pontos o Déficit do ano foi de R$ 28,6 bilhões, resultando num um déficit acumulado de R$ 16,1 bilhões. Somente a VALE impactou o resultado negativamente em R$ 7,8 bilhões. Em junho de 2016 a BOLSA fechou com 51.526; a VALE ainda não foi avaliada;
2 – O Plano PREVI Futuro, com um perfil diferente do Plano 1 na composição das carteiras apresentou melhor desempenho.  A rentabilidade total do primeiro semestre foi 12,2%, sendo 17,2% oriundo de renda variável e 11% de renda fixa. Em 2015 a rentabilidade total foi 3,7% bem superior a do Plano 1;
3  Em julho de 2016, com a bolsa em 57.308 pontos os ativos do Plano 1 subiram para R$ 159 bilhões. A rentabilidade foi de 11%, superando a meta. De janeiro a julho houve superávit de R$ 1,6 bilhões, o que reduziu o déficit acumulado para R$ 14,4 bilhões. 
4 - Para o não equacionamento do déficit de 2015 previsto para a partir de março de 2017, se for o caso, é necessário que o déficit acumulado em 2016 seja inferior a R$ 11 bilhões (8% das provisões matemáticas). A BOLSA, que ronda os 60 mil ponto em agosto, é um importante sinalizador do desempenho da PREVI, mas que o resultado de 2016 vai depender muito da avaliação da VALE, NEOENERGIA e INVEPAR, que ocorrerá no final do ano. Logo, ainda é cedo para se ter certeza que não haverá elevação de contribuições. Continuarei acompanhando e informando.

Autorizo divulgar por qualquer meio, preservando a fonte e integridade do texto.

Antonio J. CARVALHO.
  


4 comentários:

Paulo Beno disse...

Perfeito, oportuno e coerente seu post, sobre o nosso Plano 1, ate julho de 2016.

Preocupaçao esta com o aumento das Provisoes Matematicas, de onde se calcula os 8% do limite maximo para apuraçao do deficit, que nos livrara de equacionar o deficit de 2015, em março de 2017..
Parabens pela bela analise. Continuamos ligados e antenados

Paulo Beno
Carazinho RS

Luis-BH disse...

Excelente análise dos resultados da Previ.
Como o Paulo Beno, também me preocupo muito com esse crescimento exponencial das provisões nos últimos anos.
Acho que temos dois furos: a rentabilidade negativa das ações e o crescimento exagerado das provisões matemáticas.
Sei que os cálculos atuariais devem ser conservadores para garantir os benefícios até o último sobrevivente. Mas desse jeito, o remédio matará o paciente.
Abraço

Paulo Beno disse...

ATIVOS LIQUIDOS INFERIORES AS RESERVAS MATEMATICAS > Plano 1 PREVI

31/12/2015 - R$ 119,73 bi para R$ 135,86 Bi com deficit de -R$16,1 bi
30/06/2016 - R$ 124,61 bi para R$ 142,47 Bi com deficit de -R$17,8 bi
31/07/2016 - R$ 128,94 bi para R$ 143,38 Bi com deficit de -R$14,44 bi

Caso o deficit, ao final de 2016, baixe para -R$11,5 bilhoes -8% das reservas matematicas-,
nao sera necessario equalizar nosso Plano 1, a partir de março de 2017.

Vamos aguardar, pois as Reservas Matematicas sobem, de acordo com indices do INPC /inflaçao/

Amir Santos disse...

Estimado amigo Carvalho,

Expresso minha gratidão pela sua manifestação de confiança e apoio à minha candidatura para a Diretoria de Planejamento da Previ.

Fico honrado com o seu voto e minhas força renovadas para a batalha.

Estendo meus agradecimentos a todos os seus leitores.

Amir Santos