sexta-feira, 11 de novembro de 2016

CASSI – CONTRIBUIÇAO EXTRA – VOTAÇÃO

Começou dia 11 e termina dia 21 de novembro o prazo para votação da proposta consensuada através do Memorando de Entendimento, assinado pelo Banco do Brasil, ANABB, AFABB, FAABB, CONTRAF E CONTEC, depois de negociações que se arrastaram por quase 2 anos, com o objetivo de tirar a CASSI do estado de insolvência que vem operando com déficit desde 2011 e buscar o equilíbrio financeiro sustentável, conforme amplamente divulgado.
Sabemos que a evolução dos recursos médicos, saudáveis e necessários para melhoria da saúde, implica em custos mais elevados. O déficit que é crescente, dentre outras variáveis, dentre as quais as relacionadas à gestão é impactado pela inflação médica que comprovadamente é maior do que a inflação oficial. Ou seja, as despesas crescem numa velocidade maior do que as receitas. Isso é fato incontestável.
Com prazo até dezembro de 2019, improrrogável, a proposta consiste na elevação das contribuições extraordinária dos associados em 1% sobre os proventos e benefícios, gerando recursos de R$ 17 milhões mensais para o custeio. A contra partida do Banco é de R$ 23 milhões mensais, reajustado pelo IPC Saúde, destinado ao pagamento de projeto estruturante para melhoria e revisão de processos e sistemas e aperfeiçoamento da gestão, contemplando consultoria especializada para realizar diagnóstico do sistema de governança, gestão e operações, visando otimizar recursos, reduzir despesas, melhorar eficiência, uso racional dos serviços e programas de prevenção de doenças e promoção de saúde dos associados. Está previsto acompanhamento sistemático e prestação de contas ao Banco, Entidades e associados.
Aposentados votam pelo TAA do Banco, com o uso do cartão e senha da conta corrente. Os ativos votam através do SISBB. Diferente da PREVI, pensionistas não votam na CASSI e de já fica registrado meu protesto. Entendo que esta discriminação precisa ser revista.
Para validar a proposta, cabe aos associados concordarem com a inclusão da referida contribuição extraordinária no Estatuto da CASSI. Para aprovação é necessário o quorum de 2/3 do total do público votante e no mínimo 50% mais um dos votos válidos. Está previsto o Banco assinar um convênio de desembolsos de R$ 23 milhões mensais junto a CASSI.
Nesta proposta me incomoda não ter sido mantida a proporção de contribuição de uma vez para o associado e de uma vez e meia para o Banco, ou seja, de 40% para 60%, equivalente hoje a 3% para o associado e 4,5% para o Banco. Em caráter extraordinário a proporção ficou de 57,5% para o Banco e de 42,5% para o associado. Esta proporção não será alterada no Estatuto. De igual modo me incomoda a não inclusão da contra partida do Banco no Estatuto, apesar das explicações de que existem barreiras da CVM – Comissão de Valores Mobiliários. Acredito que o Banco irá assinar o Convênio com a CASSI, conforme previsto no Memorando de Entendimentos já assinado com as Entidades.
Ciente e consciente de que não é nada confortável elevar contribuições, onerando os associados ativos e aposentados, com salários e benefícios achatados, mas, diante da gravidade extrema da CASSI da qual não podemos prescindir, da falta de alternativa e no pressuposto de que as condições negociadas e acordadas serão implementadas em sua plenitude, votarei SIM, favorável à aprovação da proposta e inclusão de artigo no Estatuto, com vigor até dezembro de 2019, improrrogável, conforme está registrado.
Porém, respeito o direito democrático de cada associado, a quem cabe refletir sobre a situação da CASSI e decidir. Cabe registrar que a situação financeira é grave. As reservas antes existentes foram esgotadas. A falta de recursos para pagar compromissos pode acarretar consequências imediatas, com reflexos maiores nos associados.

    Clique aqui e veja a íntegra do Memorando de Entendimentos.

    Mais informações no site: www.cassi.com.br

    Antonio J. CARVALHO.

      

    2 comentários:

    Anônimo disse...

    Carvalho,
    No post anterior, de 04.11.16, você publicou o meu comentário, abaixo transcrito mas, por esquecimento ou outro tipo de motivação, deixou de responder. Estou no aguardo de sua manifestação.
    “Anônimo disse...
    Esses novos critérios de remuneração da diretoria executiva anunciados no site pela Previ foram, ou não, implantados através da utilização do voto de minerva por parte do patrocinador?
    8 de novembro de 2016 05:11”.

    Jorge Luiz Gartner disse...

    Incomoda essa fórmula de "salvar" a CASSI apenas injetando recursos financeiros. Como diz o povo, o buraco é muito mais em baixo.
    Quem são as pessoas que administram a CASSI? Quem fiscaliza os administradores da CASSI e a forma de usar os recursos financeiros? Existe algum estudo sério analisando a viabilidade/sobrevivência da CASSI no médio/longo prazo? Qual a razão dos médicos estarem "fugindo" da CASSI?
    Quero deixar claro que não reclamo do atendimento da CASSI. Preciso da CASSI, minha família se sente segura com a CASSI. Quero ver a CASSI sempre mais forte.
    Mas precisamos, com urgência, de soluções inteligentes, profissionais, éticas, rentáveis e com retorno para o Plano e para os associados. É possível implementar parcerias, abrir o leque de atendimento e negociação, com vantagens para todos os envolvidos, principalmente atendendo as necessidades dos associados.
    Vai dar trabalho, mas com certeza vai trazer resultados positivos.
    Jorge Luiz Gartner