sábado, 19 de novembro de 2016

CASSI NA UTI - DIA 21 ACABA O PRAZO DE VOTAÇÃO

  Eu votei SIM para tirar a CASSI da UTI – Estado de Insolvência.
Lembramos que o prazo para votação termina dia 21 de novembro (segunda feira). Se já votou, parabéns! Se não votou, ainda dá tempo. Lembre os amigos. Sabemos das dificuldades e limitações de muitos aposentados. Devemos exercer o direito do voto, evitando delegar a outros o nosso direito e a nossa responsabilidade. 
Associados ativos votam pelo SISBB. Aposentados votam pelos TAA – Terminais de Auto Atendimento do Banco – com o uso do cartão e senha da conta corrente. O Estatuto não permite o voto de Pensionistas. Fica o meu protesto. Precisa ser revisto.
Até dia 18 (sexta feira), 84% dos associados da ativa e 34% dos aposentados já tinha votado.
Para aprovação da proposta é necessário o quorum de metade mais um do público votante e dois terço de votos SIM.
 Conforme já foi amplamente divulgado a proposta consiste na cobrança mensal adicional extra de 1% da remuneração dos associados ativos e aposentados. Em contra partida, o Banco, mediante assinatura de contrato com a CASSI, conforme consta no Memorando de Entendimentos firmado com a CONTRAF, CONTEC, ANABB, AAFBB e FAABB, depois de 20 meses de negociações, pagará à CASSI, R$ 23 milhões mensais, corrigidos anualmente pelo FIPE/SAÚDE, para ressarcimento de custos com Programas de Atenção Domiciliar (PAD), Política de Assistência Farmacêutica (PAF), coberturas especiais e estrutura das CliniCASSI. O Banco Pagará, também, uma consultoria especializada para realizar diagnóstico dos sistemas de Governança, Gestão e Operações da Cassi, visando otimizar recursos, reduzir despesas, melhorar eficiência, viabilizar parcerias, criar mecanismos de uso racional dos serviços e investir em programas direcionados à prevenção da doença e à promoção da saúde dos associados. 
No termo de compromisso assinado não está previsto redução de benefícios.
A contribuição extra de 1% e o pagamento do Banco terminarão em dezembro de 2019, improrrogável, a partir de quando continuará a proporção de 1 para o associado e 1.5 para o banco, (40% para 60%), ou seja, contribuições 3% para os associados e 4,5% para o Banco, constantes no Estatuto.

É certo que em caráter extraordinário a proporção ficou de 57,5% para o Banco e de 42,5% para o associado. Isso me incomoda, mesmo o Banco pagando a consultoria, além dos R$ 23 milhões.
 As contribuições e o ressarcimento extraordinário podem ser suspensos, temporariamente, mediante justificativa, caso as propostas da Consultoria não sejam implementadas e ou os resultados esperados não sejam alcançados em prazos determinados.
Ressalte-se que haverá prestação de contas pela Cassi, trimestralmente, ao BB, às Entidades e aos Associados. Devemos acompanhar e cobrar os resultados.
Entendo que não é nada confortável elevar contribuições, onerando os associados, com salários e benefícios achatados.
Porém, a dura realidade é que as reservas acabaram, os compromissos continuam e a CASSI que é nossa e do Banco está sangrando na UTI precisando de oxigênio.
Respeito a opção de cada associado e de todos. Mas, caso não seja aprovada a presente proposta fico a refletir sobre os possíveis e duvidosos desdobramentos.
Sabemos que a inflação médica é maior do que a inflação oficial. As despesas atualmente da CASSI são maiores que as receitas (efeito tesoura) e caminha para o estrangulamento. Planos de Saúde de mercado é individual e tem custo elevado, em particular para os usuários de idade avançada. Visa lucro. Os benefícios podem ser menores.
Por estes e outros motivos, não vislumbrando alternativas no momento para tirar a CASSI da UTI e entendendo ser oportuna e necessária uma ampla reestruturação, optei pelo SIM.
Clique aqui e conheça a íntegra do Memorando assinado pelo BB com ANABB, CONTRAF, AAFBB e FAABB.
Saiba mais informações acessando ao site: WWW.cassi.com.br

Antonio J. CARVALHO.

Nenhum comentário: